James Rodríguez faz Colômbia esquecer Falcao García

Camisa 10 dos Cafeteiros é o atual artilheiro da Copa do Mundo com cinco gols anotados em solo brasileiro

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

James Rodríguez anotou gols em todas as partidas e foi escolhido o melhor do duelo por três vezes nesta Copa
Reprodução/Twitter
James Rodríguez anotou gols em todas as partidas e foi escolhido o melhor do duelo por três vezes nesta Copa

James David Rodríguez Rubio ainda ia completar três anos de idade quando a Colômbia chegou à Copa do Mundo de 1994 sob o favoritismo concedido por Pelé.

Não viveu a decepção da eliminação na primeira fase, naquela vez. Nem era nascido quando Roger Milla desarmou o goleiro Higuita para marcar na vitória de Camarões nas oitavas de final de 1990. Ele tinha seis anos quando seu país participou de um Mundial pela última vez. Até ele ajudar no retorno, 16 anos depois.

James Rodríguez, 22, está desconectado do modesto retrospecto da Colômbia em Copas. E está construindo uma história espetacular nos estádios brasileiros.

Neste sábado (28), no Maracanã, ele se tornou artilheiro do Mundial, com cinco gols, ao marcar duas vezes na vitória sobre o Uruguai por 2 a 0 e liderar a classificação inédita às quartas de final.

A Colômbia, que jamais havia vencido duas partidas numa Copa, ganhou as quatro que disputou -sempre com gol de James- e enfrentará o Brasil por um lugar na semifinal, sexta-feira (4), em Fortaleza. Isso, sem seu maior astro, o goleador Falcao García, que foi cortado porque não se recuperou a tempo de uma cirurgia de joelho.

Mas James, seu companheiro também no português Porto e agora no francês Monaco, tem sido mais do que o camisa 10 que prepara jogadas. Deu duas assistências, é verdade, mas virou homem-gol. A Fifa o considerou o melhor jogador da fase de grupos.

Meia criativo, James Rodríguez mostra qualidade em quesitos como técnica, visão de jogo, passe, chute e jogadas individuais. Sua genética explica isso.

É filho e sobrinho de ex-jogadores. Seu pai, Wilson James, que atuou nas décadas de 1980 e 1990 por Independiente de Medellín, Cúcuta e Tolima, defendeu seleções de base da Colômbia. Seu tio Antonio, também jogador profissional, foi assassinado nos anos 90.

Há mais ligações familiares de James com o futebol. Ele é casado com Daniela, irmã do goleiro titular da seleção colombiana, David Ospina. Tem uma filha com ela, Salomé, 1.

R$ 135 MILHÕES

Incentivado pela mãe e pelo padrasto que o criou desde os três anos, James levou a sério o futebol desde criança. Ele estreou na primeira divisão colombiana aos 14 anos, pelo pequeno Envigado. Aos 17, virou o estrangeiro mais jovem a jogar no Campeonato Argentino. Sagrou-se campeão com o pequeno Banfield em 2010 e transferiu-se ao Porto, onde conquistou três títulos portugueses e uma Liga Europa.

O Monaco pagou 45 milhões de euros -cerca de R$ 135 milhões- para tê-lo a partir da temporada passada. Na campanha do vice-campeonato francês, James foi o líder de assistências com 12, uma a mais do que o sueco Ibrahimovic, do Paris Saint-Germain.

Se hoje ele desperta o interesse em grandes clubes, há menos de três anos nem sequer jogava na seleção principal da Colômbia. Havia disputado apenas os Mundiais sub-17 e sub-20.

Nas eliminatórias da Copa, acabou se transformando em peça fundamental da equipe. Soma dez gols em 26 partidas e inúmeros lances de refinamento futebolístico.

Pouco depois de James Rodríguez estrear pelo selecionado, em outubro de 2011, o antigo dono da camisa 10, Valderrama, um dos maiores ídolos nacionais, apontou o garoto de então 20 anos como seu sucessor.

Outro ícone da geração dos anos 1990, Asprilla, ex-atacante do Palmeiras, disse que James pode ser o melhor jogador da história do país.

Em Mundiais, já é o colombiano com mais gols. E nenhum outro teve tamanho protagonismo. Seus golaços e passos de dança nas comemorações jamais serão esquecidos pelos torcedores da Colômbia.

Leia tudo sobre: colombiajames rodriguezCopa do Mundofalcao garcia