Belo-horizontinos vão à igreja na hora do jogo e preferem rezar

Fiéis foram às orações enquanto Brasil enfrentava o Chile, no Mineirão, e pediam, entre outros motivos, até pela seleção brasileira

iG Minas Gerais | Laura Zschaber |

ESPORTES BH MG: TONEM AI, PESSOAS QUE NAO LIGAM PARA A COPA. NO MOMENTO DO JOGO VAI FAZER OUTRAS COISAS. NA FOTO:STOESSEL OLIVEIRA, IGUEJA SAO JOSE, CENTRO

FOTOS: DENILTON DIAS / O TEMPO / 28.06.2014
DENILTON DIAS / O TEMPO
ESPORTES BH MG: TONEM AI, PESSOAS QUE NAO LIGAM PARA A COPA. NO MOMENTO DO JOGO VAI FAZER OUTRAS COISAS. NA FOTO:STOESSEL OLIVEIRA, IGUEJA SAO JOSE, CENTRO FOTOS: DENILTON DIAS / O TEMPO / 28.06.2014

Enquanto torcedores enchiam bares e festas para ver o jogo do Brasil contra o Chile, neste sábado, alguns belo-horizontinos preferiram ir à igreja. A seleção se preparava para entrar em campo quando o servidor público Élcio Aparecido Coelho, 50, entrou na igreja São José, no Centro da capital para rezar seu terço. “Não acompanho futebol, mas estou torcendo para o Brasil. Quem sabe eu assista à final”, brincou. Já o aposentado Stoessel Oliveira também aproveitou a igreja mais vazia para fazer suas orações. “Preferi vir para cá. Amo esse lugar assim, sereno”. Ele disse que espera que a seleção brasileira ganhe, mas que prefere torcer para que o melhor vença.

Mesmo não sendo fã de esportes, a comerciante Dorly Teodoro, 42, também reservou um tempo das suas orações para pedir o fim da violência nas ruas e nos estádios. “Nesses momentos temos que pedir paz. O povo está muito agitado com a Copa. Não quero que o Brasil ganhe senão todos esquecem os problemas sociais, que são muito mais importantes”, disse.

O Santuário São Judas Tadeu, no bairro da Graça, estava cheio mesmo na hora do jogo. Todos os dias 28 de cada mês, é realizada uma missa para o santo conhecido como intercessor das causas impossíveis. Entre os fiéis e vestido com a camisa verde e amarela, estava Rafael Dutra, 35, que ainda rezava para a seleção sem saber que ela já havia marcado um gol. “Saí do serviço e vim fazer minhas preces, mas também rezar para que o Brasil vá para as quartas. Sou louco por futebol, mas tinha que vir rezar”, contou o empresário, que ia assistir o segundo tempo com a família.

A trocadora de ônibus Altair Lages, 50, também vestida com a camisa da seleção, passou na igreja antes de ir trabalhar. “Quero que o Brasil vença, mas hoje não estou aqui para isso. Estou só rezando para minha família mesmo”, disse.  

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave