Em defesa, Suárez diz que se desequilibrou e bateu o rosto em Chiellin

Foi essa a explicação do jogador para a mordida no zagueiro italiano durante a partida da última terça-feira (24)

iG Minas Gerais | Folhapress |

undefined

O atacante uruguaio Luis Suárez alegou ao comitê disciplinar da Fifa que se desequilibrou e bateu a boca no ombro de Chiellini, ficando até mesmo com um hematoma na região e dores nos dentes.

Foi essa a explicação do jogador para a mordida no zagueiro italiano durante a partida da última terça-feira (24), pela última rodada do Grupo D, que lhe rendeu uma punição de nove jogos oficiais pela seleção e o tirou da Copa do Mundo.

O conteúdo da defesa do astro uruguaio foi publicado neste sábado (28) pelo jornal " Estado de S. Paulo". A Folha de S.Paulo também teve acesso aos documentos da decisão aplicada pelo comitê disciplinar, nos quais constam as alegações do atleta da AUF (Associação Uruguaia de Futebol). "No momento do impacto, que me fez juntar os joelhos, perdi o equilíbrio e cai por cima do adversário. Neste momento, bati meu rosto contra o jogador, deixando um pequeno hematoma e uma forte dor nas peças dentais, o que determinou que o árbitro paralisasse a partida", disse Suárez.

"Isso é o que aconteceu. Em nenhum momento, aconteceu o que se descreve como morder ou tentar morder", adicionou o atacante.

Além do depoimento de Suárez, a AUF apresentou ao comitê disciplinar um parecer médico do jogador e fotos retiradas da internet da marca deixada pela pancada no ombro de Chiellini. Esse material não foi aceito como prova.

O atacante foi suspenso por nove jogos oficiais da seleção, o que pode fazê-lo perder até o início das eliminatórias da Copa de 2018, e proibido de exercer qualquer atividade ligada ao futebol pelos próximos quatro meses.

O Uruguai já avisou a Fifa que irá recorrer da suspensão. O técnico Óscar Tabárez chegou a acusar a entidade de ter aplicado uma sanção exagerada ao jogador quando comparada às outras penas impostas neste Mundial.

Na decisão do comitê disciplinar, fica claro que foi levado em conta o histórico do jogador, que já havia sido suspenso duas vezes anteriormente por morder adversários, e também a falta de arrependimento de Suárez.

"A sanção mínima não era suficiente para conseguir o efeito dissuasivo necessário. As suspensões anteriores não surgiram efeito", diz um trecho da decisão.

"Em nenhum momento o jogador mostrou remorso de nenhum tipo ou admitiu ter violado as regras da Fifa. E, portanto, não mostrou consciência de haver cometido alguma infração." UNIFORME

Antes de enfrentar a Colômbia pelas oitavas de final da Copa, neste sábado, às 17h, a seleção do Uruguai deixou intacto o lugar de Luiz Suárez no vestiário.

A Associação Uruguaia de Futebol divulgou, pelo Twitter, cerca de três horas antes da partida no Rio, que o uniforme completo que Suárez usaria no jogo está no vestiário, inclusive com as chuteiras do atacante.

Leia tudo sobre: Copa