Aécio define vice só segunda

Tucano admite que Serra pode estar na sua chapa, mas prefere que ele se candidate ao Senado

iG Minas Gerais |

Piauí. Aécio participou do lançamento da candidatura à reeleição de Zé Filho (PMDB), Campos compareceu duas horas após o tucano sair
Orlando Brito/ PSDB
Piauí. Aécio participou do lançamento da candidatura à reeleição de Zé Filho (PMDB), Campos compareceu duas horas após o tucano sair

TERESINA. O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, afirmou nessa sexta, na capital do Piauí, que a decisão sobre o que José Serra vai disputar nas eleições é uma decisão que será tomada junto com os partidos que integram a chapa. O tucano ressaltou que Serra é seu amigo e fará parte do seu governo, mas a decisão sobre quem será o vice-presidente em sua chapa será decidido na próxima segunda-feira.

O presidenciável quer que ex-governador concorra ao Senado, mas havia grande pressão no partido para que ele saia de vice de Aécio e deixasse a candidatura ao Senado para o presidente do PSD, Gilberto Kassab. No entanto, nessa sexta Kassab anunciou apoio ao empresário Paulo Skaf na disputa ao governo de São Paulo, o que abre caminho para Serra concorrer ao Senado na chapa tucana.

“É uma honra ter o Serra como companheiro de chapa. Ele estará em nosso projeto de governo, mas a vice-presidência será decidida na próxima segunda-feira, após uma consulta ampla que está sendo feita não apenas ao PSDB, mas a vários partidos que estão ao nosso lado. Nesse instante o PTB, em uma convenção nacional, em Salvador, acabou de homologar por aclamação o apoio do partido a nossa candidatura. Então, é um partido que será consultado como outros que já integram a nossa coligação, vamos ter uma composição de chapa que vai nos levar a vitória”, disse Aécio Neves, após a convenção para o lançamento da candidatura do governador do Piauí, José Filho (PMDB), à reeleição e do ex-prefeito teresinense Sílvio Mendes (PSDB) a vice-governador.

Inusitada. Segundo Aécio, a aliança com o PMDB do Piauí foi fechada para que não volte a acontecer o que ocorreu no governo do PT, que excluiu o Estado dos investimentos do governo federal.

“O Piauí foi excluído dos grandes investimentos no Brasil. Temos que efetivar uma reconciliação do Piauí com o governo central, garantindo investimentos na região, obras de infraestrutura e de energia. Primeiro compromisso quando assumir a presidência será colocar o Piauí no mapa do desenvolvimento nacional e regional”, declarou Aécio.

O tucanos voltou a dizer que o Brasil se transformou em um verdadeiro cemitério de obras inacabadas por causa do sobrepreço. “Isso pune todos os brasileiros e eu quero propor um novo ciclo de desenvolvimento para a região Nordeste e em especial para o Piauí”, .

Espírito Santo

Aliança. O PMDB do Espírito Santo decidiu se aliar ao PSDB e garantir no Estado um palanque exclusivo para Aécio. O deputado César Colnago (PSDB) será o vice de Paulo Hartung (PMDB).

Organização evita encontro dos apoiadores Teresina. Com agendas confirmadas para uma mesma convenção, os presidenciáveis Eduardo Campos (PSB) e Aécio Neves (PSDB) evitaram dividir o mesmo palanque nessa sexta em Teresina. Tudo foi feito para que não se encontrassem. Cuidaram disso os organizadores da convenção que homologou a candidatura à reeleição do governador Antonio José de Moraes Souza Filho, o Zé Filho (PMDB). Aécio abriu, e Campos encerrou o evento da coligação que reúne 18 partidos no Estado. “Não há nenhum problema dos dois se encontrarem. O que houve foi desencontro de agenda”, disse o tucano Firmino Filho, prefeito de Teresina e amigo de Aécio e de Campos.

São Paulo Inversão. O PSD de Gilberto Kassab decidiu, em reunião nessa sexta, apoiar o candidato do PMDB ao governo de São Paulo, Paulo Skaf, e não a reeleição do governador tucano Geraldo Alckmin. Frustração. A decisão frustra o PSDB, que chegou a dar como acertada a aliança com o partido do ex-prefeito da capital paulista. Vantagem. Agora, o PSD ampliará em cerca de 1 minuto e 15 segundos o tempo de Skaf em cada bloco de propaganda na TV – com duração total de 25 minutos. Ao todo, Skaf terá 5 minutos e 46 segundos. Pesquisas. O peemedebista apareceu em segundo lugar na pesquisa do instituto Datafolha divulgada no dia 7de junho, com 21% das intenções de voto, atrás do governador Geraldo Alckmin (PSDB), com 44%, e à frente do petista Alexandre Padilha, que aparecia em terceiro, com 3%. No levantamento, a candidatura de Gilberto Kassab foi considerada, e o líder do PSD apareceu com 5%.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave