Ceia promove quermesse cultural na Funarte MG

iG Minas Gerais | Daniel Oliveira |


A bailarina Dudude apresenta a performance “Desdobra” amanhã
Luiza Palhares
A bailarina Dudude apresenta a performance “Desdobra” amanhã

Em meio à magnitude das grandes arenas e do espetáculo televisivo, um evento no calendário oficial da Copa do Mundo que resgate o espírito de comunidade e o sabor local. Essa é a proposta do projeto De Banda para a Arte, que acontece amanhã, 29 de junho, e na quinta-feira, 10 de julho, a partir das 19h no espaço da Funarte MG.

Parte do projeto Funarte Grande Área, que tem promovido atividades paralelas à Copa em todas as cidades que possuem sedes do órgão, o evento mineiro partiu de um convite dos curadores Xico Chaves e Luiza Interlenghi ao Centro de Experimentação e Informação de Arte (Ceia). “Na contramão da espetacularização da Copa e da Fifa, pensamos na ideia de uma quermesse”, conta o coordenador do Ceia Marcos Hill. A ideia é convidar o público a experimentar pratos da culinária local durante shows musicais e exibições de vídeo, além de performances artísticas.

“A quermesse nos conduz a uma sensibilidade e recupera uma dimensão humana mais acessível. A ideia da comunidade que se encontra na praça no fim de semana, ao som de uma banda, come um docinho na barraca, se encontra, passeia, namora”, descreve Hill.

Dado o espaço da Funarte MG, o Ceia optou por dividir o evento em dois dias. O primeiro, amanhã, vai contar com uma mostra de vídeos e outra de performances, enquanto uma barraca oferecerá ao público pratos e bebidas típicas de Minas Gerais.

A seleção dos vídeos traz uma temática contemporânea de artistas que atuam com a videoarte e documentários experimentais, misturando destaques locais e nomes de fora. Entre eles, estão “Vó Maria”, de Tomás von der Osten, vencedor do prêmio da crítica na 14ª Mostra de Cinema de Tiradentes; e “Space Dust”, de Sávio Leite, vencedor do prêmio do júri popular no Vivo Arte.Mov 2012. Já a mostra de performances vai contar com a artista plástica Marta Neves e a bailarina, coreógrafa e diretora Dudude.

Mas, de acordo com Hill, é o segundo dia, 10 de julho, que vai trazer com mais força a ideia de quermesse. Para ele, o Ceia convidou três bandas civis de música de Belo Horizonte – dessas que tocam em coretos e praças – para participarem de um desafio. “Vamos coloca-las uma de frente para a outra no círculo central do espaço interno da Funarte e elas vão tocar, uma respondendo ao desempenho musical da outra”, explica o coordenador.

Ao redor delas, no espaço periférico, vão ser montadas cinco barracas. Nelas, artistas como a chef Agnes Farkasvolgyi, o performer Marc Davi e o grupo Indigestão vão desenvolver trabalhos artísticos em que a comida será o ponto de partida para a discussão estética.

“O Indigestão vai servir um sonho de padaria feito com Megamass e doce de leite, acompanhado de energético”, exemplifica Hill. Ele conta ainda que uma enorme mesa de chá e café vai trazer obras de arte feitas com massa de biscoito.

“Queremos propor um encontro festivo num espaço lúdico, mas que não seja vazio, que não seja o divertimento pelo divertimento, mas um convite a dar mais atenção ao discurso poético das atividades artísticas”, sintetiza o coordenador.

Agenda

O que. De Banda para a Arte

Quando. Amanhã, 29 de junho, e quinta-feira, 10 de julho, às 19h

Onde. Funarte MG – rua Januária, 68, Floresta

Quanto. Entrada franca

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave