Sem chuva, Norte de Minas vende gado para outros Estados

Para evitar prejuízo, 1 milhão de cabeças foram negociadas; normalmente são 400 mil por ano

iG Minas Gerais | Queila Ariadne |

Seca. Estiagem atinge forte o Norte de Minas, onde mais de 3 milhões de cabeças de gado pastam
SAMUEL AGUIAR / O TEMPO
Seca. Estiagem atinge forte o Norte de Minas, onde mais de 3 milhões de cabeças de gado pastam

O Norte de Minas Gerais já está acostumada a conviver com a seca. Mas, há pelo menos três anos sem chuva suficiente até mesmo para crescer a pastagem e engordar o gado, os pecuaristas têm que antecipar a venda dos bois para evitar perdas. O gerente regional da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Minas (Emater) de Montes Claros, Ricardo de Micheli, calcula que, em um ano, um milhão de cabeças saíram da região. O volume equivale a um terço do rebanho local e é uma vez e meia maior do que a média usual de vendas. “Normalmente, em um ano saem cerca de 400 mil cabeças”, estima.  

O presidente da Sociedade Rural, Osmani Barbosa Neto, explica que a saída é para evitar a desvalorização. “Vendemos para outras regiões de Minas, como o Triângulo, e também para outros Estados como Goiás, Mato Grosso e São Paulo.”

O coordenador técnico de bovinos da Emater, José Alberto Ávila, explica que essa é a alternativa. “Sem chuva, a dimensão do estrago é enorme, pois o capim não resiste e é preciso retirar o gado antes que ele morra também. É uma venda preventiva. Mesmo com um preço menor, é melhor do que perder 100%”, justifica Ávila.

Segundo o pecuarista João Gustavo de Paula, de Montes Claros, os preços só não desvalorizaram tanto porque uma isenção de ICMS concedida pelo governo mineiro garantiu a competitividade. Em março deste ano, o ICMS foi reduzido de 18% para 4% para venda de gado para outros Estados. “O problema é quando, pela falta constante de chuva, todo mundo resolve vender de uma única vez. A oferta aumenta e o preço cai. Com essa medida, o Estado conseguiu aumentar a concorrência, pois abriu o leque de compradores de fora de Minas, ao retirar o imposto e deixar o preço mais baixo”, explica João.

Ele afirma que a situação é ainda pior para quem não tem condições de fazer uma reserva de alimento para o gado. “Quando o produtor consegue se preparar, tudo bem. Mas, quando não consegue, o gado chega a morrer”, afirma o pecuarista.

Agricultura. A agricultura também não escapou dos efeitos da seca. “Em cidades como Janaúba, as perdas chegaram a 100%, mas podemos dizer a média foi de 80%”, afirma de Micheli. “A agricultura do Norte é praticamente toda irrigada, mas ainda assim foi afetada porque, com a falta de chuva, o nível dos rios como o São Francisco baixou e comprometeu a irrigação”, destaca João.

Números

1 milhão

quantidade de gado que saiu do Norte de MG

400 mil

volume de cabeças de gado normalmente vendida

3 milhões

total do rebanho de gado no Norte de Minas

R$ 40 mi

investimento do Minerva na compra do frigorífico

Preços

No bolso. Para o consumidor final, os efeitos da seca são sentidos no preço. Mesmo tendo que vender antes da hora, não houve desvalorização porque o mercado mundial está aquecido.

Leia tudo sobre: gadoNorte de Minasvenda