“Eles vão partir para mentira”

Em Salvador, Dilma Rousseff pediu um “grande axé” para combater a “política desqualificada”

iG Minas Gerais |

Encontro. Dilma Rousseff participou da convenção nacional do PCdoB, em Brasília, em que o partido confirmou apoio a sua reeleição
Luis Macedo/Câmara dos Deputados
Encontro. Dilma Rousseff participou da convenção nacional do PCdoB, em Brasília, em que o partido confirmou apoio a sua reeleição

Salvador. O PT pretende levar às últimas consequências na campanha eleitoral deste ano a estratégia de tentar tirar a marca de corrupção das administrações petistas e jogá-la para os tucanos. Isso ficou evidenciado nos discursos do ex-presidente Lula e da presidente Dilma Rousseff na convenção que homologou, nesta sexta, o nome do deputado Rui Costa como candidato petista ao governo da Bahia. Após o evento, Dilma voltou à Brasília, onde participou da convenção nacional do PCdoB, que ratificou o apoio à petista.  

Ovacionada pelos correligionários em Salvador, Dilma falou sobre “momentos difíceis na campanha”, porque os adversários “não têm argumentos e vão partir para a mentira”. A presidente pediu para que eles tenham orgulho dos 12 anos do governo do PT e voltou a contrapor “dois modelos” de administração, o do PT e do PSDB.

“O primeiro prega a volta ao passado, a volta do arrocho salarial, a volta do desemprego, da concentração de renda e da inflação. O segundo modelo é o nosso, que é o modelo da inclusão social”, declarou Dilma, exaltando o PT e afirmando que o partido será reeleito por seu legado.

Dilma chegou a pedir um “grande axé” dos baianos para enfrentar o “ódio, o xingamento, a política desqualificada” dos adversários nesta eleição. Esse ódio, conforme a presidente, teria atingido o pico na Copa do Mundo.

“Primeiro disseram que não haveria Copa, depois que seria um fracasso porque os estádios não estavam prontos, mas ficaram todos prontos. O povo brasileiro está dando um show de bola. A Copa do Mundo (no Brasil) é a Copa das Copas”, disse, insistindo para o PT e para os partidos aliados combaterem “a mentira e a desinformação” propagadas pelos adversários.

Reforma. Um ano depois dos protestos de junho de 2013, a presidente voltou a defender a realização de uma reforma política no país precedida de um plebiscito. “Quem não tem, durante toda a sua vida pessoal e pública, nenhum malfeito a ser registrado, como eu, presidenta da República, tem autoridade para propor (...) uma reforma política com a participação da população, porque só assim a reforma política no país irá para frente. Através de plebiscito”, disse.

PCdoB. Durante a convenção nacional do PCdoB, em Brasília, a presidente afirmou que as “vozes” interessadas em “diminuir” a Petrobras vão ser “perder no mar do pré-sal”. Segundo ela, o governo federal desenvolve uma “política de longo prazo” para a estatal, que trará resultados e lucro nos próximos anos. “O alarido da voz dos que sempre quiseram diminuir a Petrobras, vai se perder na imensidão do mar do pré-sal”, afirmou.

Barrado

Na porta. O ex-governador da Bahia Waldir Pires (PT) foi barrado por seguranças da Presidência nesta sexta, na convenção do PT em Salvador. “Sem espaço” para ele, Pires foi para a área reservada à imprensa.

Petista terá palanque em todo Nordeste Brasília. A presidente Dilma Rousseff (PT) terá candidatos aliados em todos os nove Estados do Nordeste. Na Bahia e em Piauí, os candidatos a governador serão do PT. O PMDB oferecerá palanques a Dilma em Alagoas, Maranhão, Paraíba e Sergipe. Em Pernambuco, o candidato aliado será o senador Armando Monteiro (PTB), e no Rio Grande do Norte será Robinson Farias (PSD). A situação está indefinida no Ceará, terceiro maior colégio eleitoral da região, onde o PT decidiu apoiar o PROS, que ainda não escolheu o candidato.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave