Barra brava é obrigado a deixar o Brasil após ser reconhecido

Argentino foi reconhecido em um shopping por agentes brasileiros que atuavam em Porto Alegre

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

Um torcedor argentino com histórico de envolvimento em tumultos em estádios foi identificado por policiais do país vizinho em Porto Alegre e precisou deixar o Brasil.

Segundo a Polícia Federal, o argentino, que não teve o nome divulgado, foi reconhecido na quinta-feira (26) em um shopping por agentes do país, que estavam na capital gaúcha para auxiliar nos trabalhos de segurança da Copa.

Os policiais argentinos informaram a Polícia Federal brasileira, que deu um prazo de 24 horas para que o torcedor saísse do Brasil. Ele foi embora do país nesta sexta-feira (27).

Um outro torcedor, Raul Paz, 45, que estava em uma lista de argentinos que não poderiam entrar no Brasil devido ao histórico de violência em estádios, é considerado procurado. Ele foi detido na quarta-feira, dia do jogo entre Argentina e Nigéria em Porto Alegre, e também recebeu um prazo de 24 horas para sair do Brasil.

A PF, porém, diz que não há registros de saída dele até agora. Se for encontrado, o torcedor será deportado. Segundo a polícia, ele entrou no Brasil por meio da fronteira com o Uruguai.

As autoridades argentinas haviam fornecido ao governo federal uma lista com 2.000 nomes de torcedores considerados "barra bravas". No Rio Grande do Sul, 21 foram barrados nas últimas semanas.

Leia tudo sobre: Barra BravaargentinoexpulsãoPorto AlegreBrasilCopa do Mundo