Gringos dão golpe pela web

O Itamaraty aconselha cautela aos cidadãos em relação a casos virtuais mantidos com estrangeiros

iG Minas Gerais | Litza Mattos |

Perigo. Nesses golpes, geralmente o comportamento dos maridos mudam logo após o casamento: eles ficam agressivos ou manipuladores
STOCKXPERTS
Perigo. Nesses golpes, geralmente o comportamento dos maridos mudam logo após o casamento: eles ficam agressivos ou manipuladores

A maioria das histórias de amor pela internet começa do mesmo jeito: após longos meses de bate-papo, o casal resolve se conhecer pessoalmente. Mas a novidade perigosa é que estrangeiros têm usado essa fórmula para seduzir brasileiras com falsas propostas de casamento para, na verdade, conseguir obter o visto de permanência no Brasil. As queixas têm se multiplicado de tal forma que o assunto já foi relatado em uma matéria do jornal espanhol “El País”. O Itamaraty também vem alertando em seu site e redes sociais sobre a tendência. “Recebemos numerosas queixas de cidadãs brasileiras vítimas de roubos, fraudes e violência cometidos por cônjuges estrangeiros que conheceram pela internet, e com os quais tiveram pouco ou nenhum convívio antes do casamento”, informou, em nota. Em sites e pelas redes sociais, não é difícil encontrar brasileiras em busca de um marido do outro lado do mundo. Também na internet, circulam relatos de experiências negativas e alertas sobre falsas promessas de muçulmanos, indianos, árabes, italianos, sírios, iraquianos e turcos. “Estou preocupada. Estou há dois meses apenas conversando com um árabe pelo Skype, e ele já me enviou o seu currículo e disse que quer vir morar no Brasil e casar comigo”, disse Mayanne Almeida, pedindo ajuda pela internet. Em outro site, uma mulher que não quis se identificar revelou já ter sido vítima de golpe. “Já fui enganada algumas vezes, por muçulmanos e egípcios que depois confessaram serem casados. Depois foi por um paquistanês que queria se casar comigo, mas já tinha outros relacionamentos com várias mulheres”, relatou. Orientações. Segundo a assessoria de imprensa do Itamaraty, o órgão não tem estatísticas precisas sobre a quantidade de queixas recebidas nos últimos meses, mas informou como geralmente o crime acontece. “É frequente que os maridos estrangeiros mudem completamente de comportamento logo após a formalização do matrimônio, tornando-se agressivos e manipuladores ou interrompendo repentinamente o contato com as vítimas, após obterem visto de permanência no Brasil. Entre os crimes mais graves, está o cárcere privado”, informou. Para evitar esse tipo de situação, o Itamaraty aconselha cautela aos cidadãos com relacionamentos virtuais mantidos com estrangeiros. “Sugere-se, entre outras precauções, buscar referências do cidadão estrangeiro por parte de terceiros, além de evitar manter o contato restrito aos meios de comunicação à distância antes do matrimônio. Após o ocorrido, as vítimas podem procurar as autoridades competentes, como a polícia, a Secretaria de Políticas para as Mulheres e a Secretaria de Direitos Humanos,  para denunciar abusos cometidos pelo marido estrangeiro”, afirma, na nota, a ministra Luiza Lopes da Silva, diretora do Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior.

Disque 180 Central de atendimento à mulher no exterior: Ação. O Ministério das Relações Exteriores, em parceria com o Ministério da Justiça e a Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres, criou uma nova central de atendimento no exterior. Países. Brasileiras na Espanha, Portugal e Itália podem recorrer à central de atendimento, ligando para o 180 internacional. Apoio. O atendimento é feito em português com o objetivo de auxiliar as mulheres vítimas de violência. Horários. As ligações são gratuitas de qualquer ponto desses países. O atendimento funciona 24 horas, todos os dias, inclusive finais de semana e feriados.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave