40 equatorianos levam calote e ficam do lado de fora do Maracanã

Grupo comprou pacotes de viagem e gastou, em média, oito mil dólares, mas não receberam os ingressos

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

A eliminação da seleção do Equador foi ainda mais triste para 40 torcedores equatorianos que levaram um calote de uma operadora de turismo. Eles acabaram do lado de fora do Maracanã, sem o tíquete para entrar no estádio.

O grupo havia comprado pacotes para a viagem ao Brasil que incluía hotel, traslados pelo Rio e o ingresso para a partida entre França e Equador em área vip, com assentos próximos ao gramado.

Cada passageiro pagou, em média, 8.000 dólares para a agência equatoriana PGV Turismo Total, que aparece na lista de parceiros autorizados da Match Services, a operadora autorizada pela Fifa para comercializar os ingressos da Copa.

"Compramos ingressos apenas para este jogo. Vamos voltar na sexta-feira para o Equador", lamentou o advogado Paul Dominguez, 49, que recebeu um comprovante que seria trocado pelo ingresso original antes da partida.

Uma das representantes da PGV acompanhava o grupo. Segundo os passageiros, ao chegar ao estádio, ela avisou:

"Vocês podem me matar, mas eu não sei onde estão os tíquetes. Quando voltar ao Equador, vou devolver o dinheiro de todos".

A agente de turismo alegou que havia deixado os ingressos com um outro equatoriano, que desapareceu com os bilhetes.

"Viemos ao Brasil para ver o jogo e tudo acabou sendo uma grande ilusão", definiu o engenheiro Esteban Silva, 26, enquanto aguardava na delegacia móvel da Polícia Civil, instalada na entrada do Maracanã.

Os passageiros formalizaram a queixa contra a PGV Turismo Total. Entretanto, segundo os agentes responsáveis pela ocorrência, não havia provas suficientes naquele momento para prender a agente de turismo equatoriana. O caso será encaminhado pela polícia brasileira para as autoridades do Equador.

Leia tudo sobre: EquatorianosCopa do MundoEquadortorcedoresenganadosMaracanãfutebolderrota