Alemanha e EUA se enfrentam e um empate basta aos dois

Ex-atacante Klinsmann, que comanda os norte-americanos, garante que as seleções brigarão pela vitória pelo primeiro lugar no grupo

iG Minas Gerais | Josias Pereira |

undefined

Um simples empate. Este é o resultado que separara alemães e norte-americanos da classificação às oitavas de final da Copa do Mundo. As duas seleções se enfrentam nesta quinta-feira, na Arena Pernambuco, em Recife, pela última rodada do Grupo G, sob suspeitas. Um possível ‘jogo de compadres’ estaria à caminho. Pior para Portugal, de Cristiano Ronaldo, e Gana que torcem desesperadamente para que a ética esportiva sobressaia-se à camaradagem de antigos companheiros. Antes de assumir o comando da seleção alemã, Joachim Löw era simplesmente o auxiliar técnico de Jürgen Klinsmann, hoje treinador dos Estados Unidos. Amigos pessoais, os dois negam com veemência a possibilidade da combinação de resultados. “Não acredito que possa haver um empate arranjado. Ambas as seleções querem terminar em primeiro lugar no grupo. Tenho certeza de que nós teremos uma partida muito disputada em Recife”, declarou Klinsmann. “A minha relação com o Jürgen (Klinsmann) é brilhante, mas não tivemos contato durante o torneio. Nossa situação não mudou com o empate contra Gana. Não podemos nos dar ao luxo de perder o último jogo”, apontou Löw. Mas portugueses e ganenses não precisam ficar de olhos abertos apenas por conta da amizade entre Klinsmann e Löw. Uma “gentileza” alemã na Copa do Mundo de 1982 fez a Fifa estabelecer que os jogos da última rodada da fase de grupos fossem disputados, rigorosamente, no mesmo horário. Áustria e Alemanha Ocidental jogavam no estádio El Molinón, em Gijón, na Espanha. Logo aos 10 minutos, Horst Hrubesch abriu o placar para os germânicos. O resultado de 1 a 0 classificava as duas seleções para as oitavas de final. Nos 80 minutos restantes da partida, alemães e austríacos abriram mão do compromisso com o ataque. O toque de bola sem objetividade escancarou a fraude e o público espanhol não perdoou. Aos gritos de “fora, fora!”, os torcedores queriam jogo, principalmente porque uma vitória com mais gols da Alemanha classificaria a Argélia. Mas os jogadores não se importaram com o clamor das arquibancadas. O placar empacou no 1 a 0 , e o duelo ficou marcado como o “jogo da vergonha”.  Aos admiradores do futebol resta apenas esperar a bola rolar em Recife. Com um estilo de jogo ofensivo e bastante aguerrido, Alemanha e Estados Unidos têm tudo para proporcionar mais um grande espetáculo nesta Copa do Mundo. Retranca 1 Na história das Copas do Mundo, outros jogos também levantam questionamentos sobre resultados suspeitos. Nesta lista encontra-se, por exemplo, o famoso 6 a 0 da Argentina sobre o Peru, na Copa de 1978, e o empate entre holandeses e irlandeses, por 1 a 1, no Mundial de 1990. Além do controverso duelo com os austríacos na Espanha, os alemães engrossam o ranking de ‘jogos de compadres’ com resultados como os registrados em 1954 e 1974. No primeiro caso, os alemães ocidentais foram a campo com um time reserva e levaram um sonoro 8 a 3 da Hungria, de Puskas. As duas equipes voltaram a se enfrentar na final da Copa, disputada na Suíça, e a Alemanha venceu o torneio após vitória por 3 a 2. Em 1974, a Alemanha Ocidental foi bicampeã do mundo jogando em casa. Para fugir de um confronto com o Brasil na segunda fase, os anfitriões perderam para a Alemanha Oriental por 1 a 0. Com um caminho mais tranquilo, os alemães ocidentais venceram todos os seus adversários na etapa decisiva do certame e venceram a Holanda na grande decisão. Retranca 2 Lançada às vésperas da Copa do Mundo, o uniforme alternativo da seleção alemã, inspirado nas cores rubro-negras do Flamengo, fará sua estreia no torneio nesta quinta-feira, contra os Estados Unidos, em Recife. A peça é sucesso de vendas. De acordo com a Adidas, fornecedora de material esportivo dos tricampeões do mundo, 2 milhões de unidades foram vendidas (contabilizando também o uniforme branco). A comercialização já supera os números registrados pela empresa em 2006, ano em que a  Alemanha sediou a Copa do Mundo. Retranca 3 Para a decisão contra os alemães, o técnico Jürgen Klinsmann não poderá contar com o atacante Jozy Altidore. O jogador sofreu um estiramento na coxa esquerda na vitória sobre Gana por 2 a 1. Ele também ficou fora do empate com a seleção portuguesa por 2 a 2, na Arena da Amazônia, em Manaus. A expectativa é que Altidore retorne ao time apenas na fase decisiva. “Nós estamos bastante empenhados em sua recuperação. Mas um retorno neste jogo (contra a Alemanha) é muito precoce. Caso conquistemos a classificação para as oitavas de final, teremos uma boa chance de contar com seu futebol novamente”, afirmou Klinsmann. Ficha técnica Estados Unidos x Alemanha Motivo: 3ª rodada do Grupo G da Copa do Mundo Horário: 13h Local: Arena Pernambuco, em Recife Árbitro: Ravshan Irmatov (Uzbequistão) Transmissão Globo, Band, Sportv, ESPN, Fox Sports Estados Unidos - Howard, Johnson, Besler, Cameron e Beasley; Beckerman e Jones; Bedoya, Bradley e Zusi; Dempsey. Técnico: Jürgen Klinsmann Alemanha - Neuer; Boateng, Mertesacker, Hummels e Howedes; Khedira, Lahm, Özil, Kroos e Götze; Müller. Técnico: Joachim Löw Olho neles Michael Bradley – Sua cabeça raspada se destaca no meio de campo. Líder em campo, possui visão de jogo privilegiada. Além de distribuir bons passes, ele não hesita em subir ao ataque quando a ocasião pede. Miroslav Klose – Apesar de ser reserva na seleção alemã, Klose pode ser acionado no decorrer da partida. Um gol sobre os Estados Unidos o transformaria no maior artilheiro em Copas do Mundo, com 16 tentos. 

Leia tudo sobre: AlemanhaEUACopa do Mundo 2014