Presidente de Gana intervém para evitar greve de jogadores

Atletas ameaçaram não participar de treino e da coletiva, exigida pela Fifa, porque não teriam sido pagos pela federação

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

Ariel Schalit/associated press
undefined

Não bastasse a necessidade de uma combinação de resultados para se classificar, a seleção de Gana enfrentou na terça-feira (24) uma crise interna com a ameaça de uma greve antes da decisiva partida contra Portugal, marcada para quinta-feira (26), às 13h, em Brasília.

Os jogadores ameaçaram não treinar e dar a coletiva de imprensa exigida pela Fifa na véspera da partida. A exigência dos jogadores era receber o pagamento prometido pela federação de Gana, que ainda não tinha sido feito.

Segundo a federação, houve uma intervenção pessoal do presidente John Dramani Mahama, que ligou para os jogadores para pedir que eles disputassem a partida contra a seleção de Cristiano Ronaldo.

O presidente de Gana garantiu aos jogadores que o governo faria um "pré-financiamento" do pagamento prometido ao time. O dinheiro será depois ressarcido ao governo, quando a Fifa transferir o prêmio por participar da competição.

Não foi informado o valor do prêmio. Essa não é a primeira vez que um time africano ameaça greve. O time de Camarões até atrasou a chegada ao Brasil em razão de divergências sobre pagamentos.

A reportagem questionou a Fifa quais seriam as punições caso o time não cumprisse o calendário oficial, mas não obteve resposta até as 11h desta quinta.

Leia tudo sobre: ganagrevejogadoresfederaçãopagamentoprêioportugalcoletivatreino