Discriminação sofrida por menina em restaurante KFC pode ser farsa

Funcionários teriam pedido à família que retirasse a menina do local, que assustava clientes com sua cicatrizes; segundo jornal de Jackson, no Mississipi, câmeras não flagraram a história narrada

iG Minas Gerais | Da Redação |

Em abril, menina perdeu um olho e sofreu lesões graves na face ao ser atacada por um pitbull
Reprodução
Em abril, menina perdeu um olho e sofreu lesões graves na face ao ser atacada por um pitbull

Um jornal americano desmentiu a família da menina que teria sido discriminada em uma rede de restaurantes dos Estados Unidos, por sua aparência. O artigo foi publicado no periódico "Lauren Leader-Call", nesta terça-feira (24).

De acordo com a publicação, as câmeras do restaurante não filmaram nenhuma criança em situação semelhante na horário em que a família afirmou ter ocorrido o incidente. No entanto, ainda conforme o artigo, a rede KFC não teria se pronunciado sobre a reviravolta.

O caso aconteceu na cidade de Jackson, no Mississipi. Em abril deste ano, a menina perdeu um olho e sofreu lesões graves na face ao ser atacada por um cão da raça pitbull. A denúncia é que uma funcionária da rede KFC teria pedido que a menina fosse retirada do local, por estar assustando os demais clientes. A família foi para as redes sociais e contou a historia que rendeu à vítima um tratamento gratuito, R$ 290 mil em doações pela internet, e outros R$ 69 mil pagos pela rede de restaurantes. A empresa investiga a atitude dos funcionários.

A família agora volta às redes sociais para reafirmar o caso e desmentir o Jornal, dizendo que o artigo não passa de uma farsa.