Costa Rica: líder do grupo da morte e em busca do impossível

Los Ticos mostraram eficiência defensiva e ataque incisivo contra os três campeões mundiais do grupo

iG Minas Gerais | FERNANDO ALMEIDA |

ESPORTES - BELO HORIZONTE MG - BRASIL - 23.6.2014 - COPA DO MUNDO FIFA 2014 - Inglaterra x Costa Rica no Estadio Mineirao em Belo Horizonte MG. 
Foto: Douglas Magno / O Tempo
douglas magno
ESPORTES - BELO HORIZONTE MG - BRASIL - 23.6.2014 - COPA DO MUNDO FIFA 2014 - Inglaterra x Costa Rica no Estadio Mineirao em Belo Horizonte MG. Foto: Douglas Magno / O Tempo

Los Ticos querem crescer, desejam chegar a patamares nunca antes imaginados – nem mesmo pelos próprios jogadores da Costa Rica. Atingir as oitavas de final de uma Copa do Mundo foi o primeiro passo do sonho máximo para os costa-riquenhos, que usam a falta de pressão por grandes resultados como principal arma para continuar alçando voos ainda maiores.

Camisa 10 dos Ticos, Bryan Ruiz valoriza a experiência de ter enfrentado equipes tradicionais, como Uruguai, Itália e Inglaterra, logo na primeira fase, mostrando eficiência defensiva e ataque incisivo.

“É uma oportunidade muito grande jogar contra três campeões do mundo e aproveitamos isso bem. Agora é ver até onde podemos ir”, disse Ruiz.

“Conseguimos classificar no grupo da morte em primeiro, jogando muito bem e sem perder, além de ter levado apenas um gol. Agora é pensar nas oitavas. Queremos chegar o mais longe possível”, completou.

Além da energia positiva e leve dentro de campo, a Costa Rica também contou com o apoio das arquibancadas, de brasileiros e torcedores de outros países que tem em Los Ticos a chance de ver um pequeno país – dentro do futebol – fazendo história em um Mundial.

“Sentimo-nos muito bem no Brasil, o calor das pessoas, todos nos trataram muito bem; já até nos disseram que a final será entre Costa Rica e Brasil (risos). É incrível. Quero aproveitar cada minuto”, afirmou o lateral-esquerdo Júnior Diaz.

Fase a fase. Desde que garantiram a classificação para as oitavas, os jogadores da Costa Rica apostam no discurso de manter a concentração e continuar jogando solto, com o rótulo de zebra sempre lhe acompanhando. Apesar de manter a positividade com a vaga na próxima fase, eles estão cientes das dificuldades pelo caminho e buscam, pelo menos, aproveitar o bom momento que vivem.

“Tudo é possível, mas sabemos que é bastante difícil ir avançando. Queremos passar das oitavas e depois eu não sei, quem sabe podemos seguir ainda mais”, comentou Ruiz.

Leia tudo sobre: costa ricaselecao costa-riquenhaCopa do Mundoruiz