Vice-artilheiro, Müller elogia Neymar, mas evita comparações

Jogador comentou disputa pelo posto de goleador da Copa do Mundo e afirmou que prefere ficar com o título

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

Em tom de brincadeira, jogador disse que ser incomparável no atual futebol mundial
Reprodução Facebook
Em tom de brincadeira, jogador disse que ser incomparável no atual futebol mundial

Vice-artilheiro da Copa, com três gols, o atacante alemão Thomas Müller cobriu de elogios o colega brasileiro Neymar, que na segunda-feira o superou na tabela de goleadores e agora reina sozinho na liderança, com quatro tentos.

O craque do Bayern de Munique -um dos artilheiros do Mundial de 2010, com cinco gols&- mostrou bom-humor ao definir a si mesmo como "incomparável".

Numa entrevista coletiva nesta terça (24), questionado pela reportagem sobre o futebol de Neymar e instado a se comparar com o brasileiro, Müller afirmou: "Neymar é um excelente jogador, jovem, extremamente dinâmico, tecnicamente talentoso, tem fome de gol. É um jogador completo -é versátil, se movimenta muito, exibe sua classe seja quando dribla ou quando faz os gols. É ao mesmo tempo um artilheiro e o maestro do time. Tiro o chapéu para ele e o cumprimento pelo seu desempenho até agora."

Em seguida, brincou: "Sobre a comparação com ele... É muito difícil me comparar com qualquer pessoa, porque as pessoas costumam dizer que sou incomparável".

Müller se esquivou de palpitar sobre quem será o artilheiro do Mundial e minimizou a disputa pelo posto. Disse que seu objetivo não é ser o goleador da Copa, mas levantar o troféu de campeão.

"Claro que eu gostaria de ganhar mais uma chuteira de ouro, como a que ganhei em 2010 e está na minha prateleira. Mas não morrerei por mais uma chuteira."

No final do empate contra Gana, Müller levou um corte no supercílio direito ao chocar a cabeça contra o o ombro de Boye. Ostenta um curativo no local, mas não precisou de pontos e, segundo a comissão técnica, está liberado para enfrentar os EUA na próxima quinta (26), no Recife, na última rodada do Grupo G.

O atacante foi mais um da seleção alemã a rejeitar a possibilidade de o time jogar para empatar contra os americanos. Um empate classifica Alemanha e EUA para a segunda fase. A desconfiança é reforçada pelo fato de os técnicos dos dois times, Joachim Löw e (o também alemão) Jürgen Klinsmann, serem amigos -Löw foi auxiliar de Klinsmann quando o ex-atacante dirigiu a Alemanha na Copa de 2006.

"Qualquer um que tenha visto nosso jogo contra Gana sabe que a Alemanha não é o tipo de time que joga pelo empate", afirmou Müller.

CAMISA RUBRO-NEGRA Contra os americanos, a Alemanha vestirá pela primeira vez na Copa o seu novo uniforme número 2, com camisas rubro-negras, lembrando as do Flamengo -time de maior torcida no Brasil- e do Sport -que tem a maior torcida de Pernambuco, local do confronto.

Indagado se a escolha da camisa rubro-negra para a Copa foi uma jogada de marketing dos alemães, o coordenador da seleção do país, Oliver Bierhoff, disse que a Adidas sempre faz pesquisas de marketing antes de definir os uniformes que o time usará em Mundiais, e desta vez não foi diferente.

Segundo Bierhoff, representantes da fornecedora de material esportivo têm demonstrado satisfação em saber que a camisa está na moda no Brasil e que ela criou uma associação entre a seleção alemã e o time mais popular do país.

Bierhoff lembrou que em 2012 a seleção alemã usou um segundo uniforme verde, com o qual não ganhou muitos jogos, e a federação alemã decidiu aboli-lo. Müller disse não ter ideia sobre uma eventual estratégia de marketing, mas saudou um eventual reforço nas arquibancadas: "Talvez um dos efeitos ao usá-la possa ser ganhar o apoio também dos torcedores locais".

Leia tudo sobre: Thomas MullerCopa do MundoAlemanhaNeymarartilheirocomparação