Governo de Pernambuco cobra mais rigor na segurança da Fifa

Desde o primeiro jogo, torcedores têm entrado com itens proibidos pela própria Fifa

iG Minas Gerais | Folha Press |

O governo de Pernambuco disse estar cobrando da Fifa mais rigor na segurança no momento em que os torcedores entram na Arena Pernambuco, em São Lourenço da Mata, região metropolitana do Recife.

Desde o primeiro jogo, torcedores têm entrado com instrumentos musicais, mochilas grandes, bandeiras, tablets e guarda-chuvas, itens proibidos pela própria Fifa.

No primeiro jogo da arena, entre Japão e Costa do Marfim, no dia 14, torcedores relataram à Folha ter entrado sem apresentar ingressos e documentos de identificação. Uma professora disse que nem sequer teve a bolsa revistada.

No jogo de segunda-feira (23), vários torcedores entraram com matracas, instrumento musical feito de madeira.

"Não estamos conversando [com a Fifa]. Estamos cobrando", disse o coordenador do Centro de Comando e Controle Regional, Alexandre Lucena.

O titular da Secretaria Extraordinária da Copa de Pernambuco, Ricardo Leitão, disse que a segurança no interior do estádio é de responsabilidade da Fifa e que a polícia só intervém em casos extremos.

Nesta segunda, a Polícia Militar precisou entrar no estádio por causa de uma briga entre torcedores croatas e mexicanos.

Procurada, a Fifa não se manifestou até a publicação desta reportagem.

EXÉRCITO

Apesar de ter dito que não seria necessária a presença do Exército para fazer segurança pública durante a Copa do Mundo, o governo de Pernambuco resolveu aceitar a oferta de homens do Exército feita pela Presidência da República no início do Mundial.

Segundo a coordenação do centro de comando, o Exército está fazendo, junto com a polícia local, a segurança dos hotéis onde as delegações se hospedam.

Leia tudo sobre: governo Pernambucosegurança