Alemanha treina com bola oval e rejeita marmelada com EUA

Após empate com Gana, seleção alemã precisa de um empate para avançar às oitavas de final

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

Alemães começaram o treino com uma atividade recreativa e usaram uma bola de futebol americano
Reprodução Facebook
Alemães começaram o treino com uma atividade recreativa e usaram uma bola de futebol americano

A três dias da última rodada do Grupo G, os alemães usaram a maior parte da entrevista coletiva com o zagueiro Hummels e o auxiliar técnico Hans-Dieter Flick, nesta segunda (23), para rejeitar a possibilidade de "um jogo de compadres" contra os Estados Unidos.

Na próxima quinta (26), um empate na partida de Recife classifica automaticamente as duas seleções, que têm o mesmo número de pontos (4) e dividem a liderança do grupo -a Alemanha ganha no saldo de gols. Caso haja um vencedor, que terminará em primeiro, há a chance de de

Gana ou Portugal (um ponto cada) ficarem com a segunda vaga.

A reforçar o clima de desconfiança está o fato de que o técnico da Alemanha, Joachim Löw, é amigo e ex-auxiliar do treinador dos EUA, o alemão Jürgen Klinsmann. Löw foi levado à seleção alemã por Klinsmann, de quem foi auxiliar no Mundial de 2006.

Ecoando o que Klinsmann já dissera após o empate dos EUA em 2 a 2 com Portugal, Hummels e Flick buscaram enterrar as especulações.

"Jogar pelo empate definitivamente não é uma atitude alemã. Evidentemente que jogaremos para vencer. Até mesmo especular em torno disso já é bastante anti-desportivo", afirmou o zagueiro. Ao considerar a possibilidade de segurar um empate no fim da partida, dependendo das circunstâncias, Hummels fez até uma brincadeira. "Se aos 46 min do segundo tempo estiver 1 a 1, não vou tentar driblar entre quatro americanos se eu for o último homem da defesa. No máximo, vou tentar driblar dois", gracejou.

Flick teve de responder uma questão sobre um episódio incômodo para os alemães, a chamada

"Vergonha de Gijón", quando, na Copa da Espanha, em 1982, Alemanha e Áustria fizeram um jogo considerado arranjado.

Os alemães ganharam por 1 a 0, justamente o resultado que classificaria ambos e eliminaria a Argélia. Após o único gol do jogo, os dois times nitidamente administraram o resultado, revoltando a torcida.

Questionado sobre a possibilidade de uma repetição do episódio na próxima partida, Flick afirmou:

"Descarto absolutamente essa possibilidade, porque encaramos o jogo contra os EUA com espírito esportivo. Os times responderão a isso [essas especulações] em campo".

"Queremos ser os primeiros do grupo e jogar as oitavas em Porto Alegre, e claramente jogaremos para ganhar."

BOLA OVAL

No início do treino desta segunda (23), os alemães fizeram uma atividade recreativa usando uma bola oval, bem mais familiar aos adversários da próxima quinta (26).

Dividiram-se em dois times para um "rachão" de rúgbi, no qual a bola era arremessada com as mãos, e os gols eram feitos em duas minitraves de cada lado.

Tanto o volante Khedira, que sentira o joelho após o empate com Gana, quanto o zagueiro Boateng, que foi substituído em Fortaleza reclamando de dores na coxa, participaram do treino. Segundo a comissão técnica, ambos estão aptos para enfrentar os EUA.

Apesar da fraca atuação do lateral Lahm -que tem atuado no meio-campo neste Mundial-, Flick descartou a possibilidade de o craque do Bayern de Munique ser trocado de posição.

"Em um ou dois lances, ele errou passes [um deles permitiu o segundo gol de Gana]. São coisas normais do futebol. Mas ele dá equilíbrio ao meio-campo e não iremos alterar nosso esquema de jogo."

Leia tudo sobre: AlemanhaCopa do MundotreinamentoBahiaseleção alemã