Cientistas do CDC são expostos à bactéria antraz nos Estados Unidos

De acordo com o Centro de Controles de Doenças (CDC) a exposição aconteceu em Atlanta, entre os dias 14 e 15 de junho, mas que nenhum dos funcionários apresentam sintomas até o momento

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

A bactéria ficou conhecida pouco depois dos ataques de 11 de setembro nos EUA
Divulgação/Wikipedia
A bactéria ficou conhecida pouco depois dos ataques de 11 de setembro nos EUA

Funcionários do Centro de Controles de Doenças (CDC) dos Estados Unidos podem ter sido expostos à bactéria antraz após falharem em procedimentos que tornariam a bactéria inativa, antes de entrar em contato com ela. Cerca de 75 trabalhadores do laboratório de biosegurança de alto nível estariam recebendo tratamento.

De acordo com o CDC a exposição aconteceu em Atlanta, entre os dias 14 e 15 de junho, mas que nenhum dos funcionários apresentam sintomas até o momento. Para esclarecer o ocorrido, uma investigação interna foi instaurada.

O CDC disse em comunicado, que as amostras da bactéria antraz foram transferidas para um laboratório de menor segurança, em sua sede em Atlanta. O centro de controle informou que cerca de 75 pessoas estão recebendo o tratamento com antibiótico ciprofloxacina e a vacina contra o antraz.

A bactéria

Encontrada normalmente em animais de criação, como ovelhas, vacas e porcos, a bactéria antraz causa uma grave doença infecciosa. O antraz pode ser ingerido ou inalado e seus sintomas incluem úlceras na pele, vômitos, náuseas e febre, podendo levar a morte se não for tratada.

A bactéria ficou conhecida pouco depois dos ataques de 11 de setembro nos EUA, quando cartas com antraz em pó foram recebidas pelas organizações de notícia e escritórios dos senadores, causando a morte de cinco pessoas. Com informações divulgadas pela BBC Brasil.

Leia tudo sobre: AntrazBactériaCDCacidenteEUAAtlanta