Segunda-feira de Holanda x Chile é o dia mais tranquilo no Itaquerão

Chegada de torcedores acontece dentro do previsto e reúne equipes já garantidas na segunda fase

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

A despeito da fama de bons bebedores de holandeses, e da de arruaceiros dos chilenos, após a invasão do centro de imprensa do Maracanã, antes do confronto com a Espanha, o clima no entorno do Itaquerão era tranquilo para o jogo desta segunda-feira (23). Na estação Corinthians-Itaquera e nas cercanias do estádio não havia grupos de pessoas bebendo ou fazendo festa, como se viu no jogo inaugural e antes do confronto entre Inglaterra e Uruguai. Um vendedor credenciado, que quis se identificar apenas como Alberto, afirmou que esta segunda estava sendo o dia mais fraco de vendas até aquele momento, por volta das 11h  -o jogo será às 13h. "É que esse jogo é muito cedo, o pessoal vai querer beber depois", imagina, esperançoso. Ao contrário das outras partidas, também, havia poucos cambistas agindo no local, embora o número de gente procurando ingressos fosse grande. Os amigos holandeses Bas Heunkens e Jeffrey Van Grunsuen, ambos com 34 anos, estavam dispostos a pagar até R$ 1.200 por um ingresso para o jogo. Já o chileno Leo Croce, 44, que está vendendo bandeiras do Chile por até R$ 30 para tentar financiar sua entrada no estádio, pretendia pechinchar mais. "Pago no máximo R$ 100! Antes do jogo contra a Espanha, no Maracanã, eu acabei ganhando um ingresso. Se não der para entrar hoje, tudo bem, eu vejo na TV", diz. Leo, que é torcedor do Colo-Colo, é fã de Valdivia, meia do Palmeiras. "Gosto dele porque ele se entrega e honra a camisa do Chile", diz. Danny León, 36, é publicitário em Santiago e está no Brasil desde o dia 17. Está hospedado no Rio, mas veio de ônibus para São Paulo com mais amigo. Não tem ideia quanto vai gastar até o final da Copa e ainda não contabilizou seus gastos. Está achando tudo caro. León estava com um cocar de índio em homenagem aos índios americanos, mas apesar dessa raiz local é torcedor do Unión Española, do Chile, time fundado por membros da colônia espanhola. "Não sei o que a Fifa tem contra o Chile. Em todos os mundiais que vamos bem encontramos o Brasil e aí perdemos. Espero que não seja assim neste Mundial. Então vamos ter de ganhar da Holanda". "Estou contente porque vi uma partida histórica contra a Espanha, que jogo bonito. Nunca vou me esquecer. Espero que hoje seja outro jogo bonito", afirmou.