Exame é essencial para a prevenção de novos registros

iG Minas Gerais | Anahad O’connor |

Nova York. A disseminação de exames para o câncer colorretal ajudou a prevenir cerca de meio milhão de casos da doença desde meados da década de 70, sugere novo estudo.  

Num momento em que exames para detectar muitos tipos de câncer estão sendo questionados, as conclusões ressaltam a importância da investigação do câncer colorretal para salvar vidas, disse o principal autor do estudo, James B. Yu, professor assistente de radiologia terapêutica da Faculdade de Medicina de Yale.

Indicada a partir dos 50 anos de idade, a colonoscopia é considerada o padrão ideal no exame para detectar câncer de cólon, embora outras técnicas, como o teste do sangue oculto em fezes, possam encontrar alguns casos da doença.

Usando dados do Instituto Nacional do Câncer dos EUA de 1976 a 2009, Yu e seus colegas descobriram que a incidência de câncer terminal entre pessoas com mais de 50 anos caiu de 118 para 74 casos a cada cem mil pessoas. No caso de câncer em fase inicial, a queda foi de 77 para 67 casos por cem mil pessoas. Durante esse período, o índice de exames colorretais quase dobrou entre pessoas a partir dos 50 anos.

O estudo constatou que havia um declínio particularmente importante de câncer do cólon esquerdo, os mais facilmente detectados por exames. “O exame colorretal é uma intervenção importante na saúde pública que afastou meio milhão de pessoas do trauma do câncer”, afirmou Yu. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave