PSOL lança Luciana Genro com propostas polêmicas

Pré-candidata disse que vai defender aborto e descriminalização da maconha

iG Minas Gerais |

Protestos. Luciana disse que sua candidatura vai demonstrar a insatisfação das ruas com o governo
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agênci
Protestos. Luciana disse que sua candidatura vai demonstrar a insatisfação das ruas com o governo

Brasília. Por unanimidade, o PSOL oficializou nesse domingo a candidatura da ex-deputada Luciana Genro (RS) à Presidência da República nas eleições de outubro. Como vice, foi indicado Jorge Paes, membro do diretório paulista.  

Como principais propostas de governo, Luciana afirma querer realizar uma ampla auditoria da dívida pública e uma reforma no sistema tributário brasileiro. Ela pretende, ainda, levar para o debate eleitoral temas considerados polêmicos e, por isso, evitados pelos principais candidatos à Presidência.

Luciana irá defender a descriminalização da maconha, a garantia dos direitos LGBT e a legalização do aborto como política pública de saúde. “Eles não têm coragem de apresentar propostas concretas (...) Vamos demonstrar a insatisfação da juventude que foi às ruas com o sistema que vamos confrontar”, afirmou. Questionada se seria “a voz das ruas”, ela disse que isso seria “muita pretensão”.

A candidata afirmou ainda que as três principais candidaturas à Presidência – Dilma Rousseff (PT), Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB) – não representam nenhum tipo de mudança.

Luciana Genro, 43, foi duas vezes deputada estadual no Rio Grande do Sul e deputada federal também por dois mandatos. Ela é filha do governador gaúcho, Tarso Genro (PT), e está impedida de concorrer a cargos públicos no Estado devido ao parentesco.

O nome de Luciana ganhou força dentro do partido após a desistência do senador Randolfe Rodrigues (AP) na semana passada. “A esquerda tinha que ter se renovado depois das manifestações de junho, e isso não foi feito”, disse Randolfe.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave