Eleitores não têm o hábito de conferir

iG Minas Gerais | Guilherme Reis |

Planos de governo não são acompanhados de maneira sistemática pelos eleitores no Brasil. A postura, de acordo com a análise de especialista, faz com que os candidatos construam propostas pouco objetivas.  

Para Paulo Roberto Leal, os eleitores não acompanham como deviam o cumprimento das promessas. “Se o eleitor desse atenção aos planos de governo, os próprios candidatos dariam mais valor ao documento. Mas essa mudança de postura dos candidatos não vai acontecer por iniciativa deles. É preciso mais exigência daqueles que vão às urnas.”

Apesar de acreditar que as propostas são genéricas, Leal argumenta que é muito difícil cumprir todas as promessas. “Pode-se fazer muitas promessas na campanha, mas a situação econômica do Estado pode mudar bastante durante o mandato e inviabilizar ações. O plano de governo deve ser um mapa das propostas e não um compromisso inarredável.”

Genérico. Os presidentes das siglas em Minas, Odair Cunha (PT) e Marcus Pestana (PSDB), destacaram que os planos de governo de suas chapas vão contemplar o desenvolvimento regionalizado das cidades mineiras. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave