No apagar das luzes, Messi dá a vitória para Argentina no Mineirão

Camisa 10 resolve a parada aos 46 do segundo tempo em uma partida difícil, em que o Irã chegou a ameaçar a meta do goleiro Romero

iG Minas Gerais | Josias Pereira |

JOAO GODINHO / O TEMPO / 21.06.2014
undefined

O Mineirão foi tomado pelas cores albicelestes da bandeira argentina. Nas cadeiras, uma festa incrível com direito a presença do ídolo Maradona. Dentro de campo, um jogo sofrido. A Argentina, envolvida pela marcação iraniana, tentava de várias maneiras furar o paredão vermelho. A criatividade, por muitas vezes, falhou. Uma certa impaciência tomava conta da torcida. Mas ter Messi em campo é uma enorme vantagem. Quando tudo encaminhava para um empate, um prêmio à heroica e aguerrida equipe iraniana, o camisa 10 argentino surgiu aos 46 minutos do segundo tempo para explodir o Mineirão. Um chute no ângulo esquerdo do goleirão Haghighi, sem qualquer chances de defesa. 1 a 0 no placar, suficiente para embalar a festa argentina em BH. Os primeiros minutos da partida já davam mostras de que seria o típico jogo entre ataque e defesa. Na base da imposição física, os iranianos tentavam parar as jogadas rápidas tramadas pelo quarteto mágico argentino. Mas estava difícil. Se não fosse o goleirão Haghighi, a seleção asiática poderia deixar o campo, ainda na primeira etapa, com uma goleada histórica. Uma das melhores oportunidades dos albicelestes saiu dos pés de Agüero. Aos 21 min, o camisa 20 saiu livre na ponta esquerda e tentou buscar o ângulo de Haghighi. O goleiro se esticou para fazer uma grande defesa. A Argentina continuou incisiva. Empurrada pela torcida, a equipe tentava abrir espaços pelas pontas. O meio-campo estava congestionado. Uma verdadeira parede vermelha impedia o brilhantismo de Messi e cia. O jeito foi apelar para as bolas alçadas à área. Em uma destas jogadas, Rojo subiu mais alto que a defesa iraniana. Um cabeceio quase fatal. A bola tirou tinta da trave esquerda de Haghighi, que desta vez só pode torcer. Pouco criativa, a seleção argentina parecia pedir para que o primeiro tempo acabasse rápido. Os minutos finais foram angustiantes. O Irã chegou até mesmo a assustar a meta defendida por Romero. Aos 42 min, Hosseini surgiu no primeiro pau após cobrança de escanteio da direita. A bola tirou tinta do travessão. Era o sinal de alerta. A Argentina precisava acordar. Na volta do intervalo, a sonolência hermana continuou. Aos 7 min, Shojaei puxou o contra-ataque iraniano, fez fila e cruzou na medida para Reza cabecear. Romero bateu roupa, mas conseguiu a recuperação na sequência. Um susto que merecia uma resposta à altura de Messi. Em uma das poucas oportunidades que teve para carregar a bola, o camisa 10 arrancou no meio e chutou colocado na entrada da área. A bola passou muito próxima à trave. O grito de gol continuava entalado. Sem muita preocupação em dar espetáculo, o Irã continuava mais incisivo. Aos 22 min, Dejagah, de cabeça, quase tirou o zero do placar. Romero, na ponta dos dedos, salvou os argentinos de uma zebra histórica no Mineirão. Impaciente, o técnico Alejandro Sabella tentava dar um novo ânimo à equipe com as entradas de Palacio e Lavezzi. Mas foi Lionel Messi que aos 46 min resolveu as coisas. Um chute colocado no ângulo de Haghighi, que se esticou para operar um novo milagre. Mas não era para ser. O dia era mesmo dele, Messi. O craque da camisa 10. Ficha Técnica Argentina 1 x 0 Irã Motivo: 2ª rodada do Grupo F da Copa do Mundo Árbitro: Milorad Mazic (SRB) Gols: Messi, aos 46 min do 2º tempo Cartões Amarelos: Nekounam e Shojaei (Irã) Cartões Vermelhos: Público: 57.698

Argentina: Sergio Romero; Zabaleta, Ezequiel Garay, Federico Fernandez eMarcos Rojo; Mascherano, Fernando Gago. Di María (Biglia) e Messi; Agüero (Lavezzi) Higuaín (Palacio) Técnico: Alejandro Sabella

Irã: Haghighi; Pooladi, Hosseini, Sadeghi e Nekounam; Shojaei (Heydari), Timotian, Montarezi e Haji Safi (Reza Haghighi); Dejagah (Alireza) e Reza Técnico: Carlos Queiroz

Leia tudo sobre: ArgentinaIrãMessiCopa do Mundo 2014