Mineiras em alta e Ingleses nada frios

“Eu estou amando esse clima de socialização. Sinceramente, podia ter Copa o ano inteiro. Vou voltar em outros dias, eles são muito bonitos e simpáticos.” - Fabiana Nunes, turismóloga

iG Minas Gerais |

Os ingleses Chris Lloyt e John Stephnson com a estudante Lorena Clice
JOAO GODINHO / O TEMPO
Os ingleses Chris Lloyt e John Stephnson com a estudante Lorena Clice

Mineiras em alta As amigas Verena Batista e Raquel Batista logo se enturmaram com os argentinos Diego Lopez e Sebastian Pizarro. Os rapazes estão no Brasil pela primeira vez e vieram do Rio para BH para o jogo de hoje contra o Irã no Mineirão. “As mineiras são simpáticas e carismáticas. As cariocas são diferentes. Elas atacam, sabe? São como leões”, divertiu-se Sebastian. “Queria conhecer vários estrangeiros. Temos que mostrar que o Brasil é isso. Essa integração é superlegal”, explica Verena. Em maior número na praça, os argentinos eram os mais procurados. Fabiana Nunes, turismóloga, logo começou uma conversa com Mariano Fuentes. “Eu estou amando esse clima de socialização. Sinceramente, podia ter Copa o ano inteiro. Eles são muito bonitos e simpáticos”. Sem pensar muito, Fuentes retribuiu os elogios. “Quem dera se todas as brasileiras fossem mineiras”.

Ingleses nada frios

Com fama de reservados e introvertidos, os ingleses surpreenderam as belo-horizontinas com o clima de descontração. Os amigos Martin Rain, Chris Lloyt e John Stephnson eram só sorrisos na praça. Entre um abraço e outro, eles se esforçavam para conversar com as meninas, mesmo sem entender o que elas diziam. A estudante Lorena Clice, 18, acabou ajudando os ingleses na comunicação com as moças e ficou surpresa com o carisma do grupo. “Eles têm fama de serem frios, mas são muito legais. Pelo menos aqui no Brasil eles têm sido muito comunicativos. Fiquei surpresa”, reconheceu.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave