Franquia faz sucesso em BH com copo de coxinhas a R$ 1

Um franqueado e dois funcionários trabalham em cada loja, que recebe os salgados já congelados

iG Minas Gerais | Thais Pimentel Especial para O Tempo |

Medida. Cada copo tem um preço
GUSTAVO BAXTER / O TEMPO
Medida. Cada copo tem um preço

Considerada a estrela do Plano Real, a moeda de R$ 1 vem perdendo espaço no comércio e no setor de serviços. Com o aumento dos preços, é quase impossível achar alguma coisa nesse valor. Quase. Isso porque chegou a Belo Horizonte a lanchonete Zé Coxinha, que vende 15 salgadinhos, dentro de um copo plástico, ao custo de R$ 1.

Criada por uma jovem empreendedora em Vitória, no Espírito Santo, em 2011, a empresa já abriu três estabelecimentos em Belo Horizonte. Uma das franquias pertence ao casal Paulo e Vanessa Valentim. A loja fica no hipercentro da capital. “Os consumidores têm apreciado bastante o nosso produto, não temos do que reclamar. Como o preço final parte de R$ 1, o volume de salgadinhos vendidos é alto, é um modelo de negócio criado para vender em volume. Muitas vezes costuma formar fila, mas como o atendimento é rápido as pessoas não ficam aguardando muito tempo”, conta Vanessa. Ela não tem ideia de quantos salgados saem por mês, mas afirma que a demanda é grande, “É bastante coxinha”, revela.

A franquia do Zé Coxinha tem que ser gerenciada pelo próprio franqueado. Todas as unidades utilizam o óleo de algodão para fritar os salgados. Assim, o produto é padronizado em todos os pontos de venda.

No interior, o Zé Coxinha aparece em Governador Valadares, Ipatinga, Coronel Fabriciano e Teófilo Otoni. Já são 60 lojas espalhadas pelo país. “Abrimos três novos estabelecimentos na semana passada. A tendência é que a empresa cresça ainda mais neste ano. Já recebemos mais de 2.000 pedidos de pessoas que desejam ser nossas franqueadas”, comemora a diretora comercial e idealizadora do Zé Coxinha, Lorena Fornaciari, hoje com 25.

A capixaba, formada em administração e especializada em marketing, vem de uma família de comerciantes habituada à indústria de panificação. “Nós temos uma fábrica grande, o que facilitava a exploração de novos produtos. Sempre pensei em vender algo ao custo de R$ 1. Depois de muita pesquisa, chegamos na coxinha, salgado preferido do brasileiro”, revela a “rainha das coxinhas”.

O custo-benefício é baixo. São necessários apenas dois funcionários para manipular o produto, que já chega congelado às lojas. “Produzimos na fábrica em Serra, na Grande Vitória, e enviamos para Minas Gerais”. Lorena não fala em números, mas acredita-se que sejam vendidos mais de 60 milhões de salgados por mês, gerando um faturamento superior a R$ 600 mil.

Estratosféricos

Uma tonelada de farinha e 600 kg de frango são usados diariamente para atender a demanda do Zé Coxinha

Mais de 60 milhões de salgados vendidos por mês R$ 600 mil é o faturamento médio mensal da empresa

Há 60 lojas no Espírito Santo, Minas Gerais, Bahia e Rio de Janeiro

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave