Santa residência

Igreja reformada vira casa na Holanda; despojar e isolar foram os pontos de partida

iG Minas Gerais | Nick Amies |

Reforma. A nova casa ganhou ares modernos, mas preservou características da igreja
Andreas Meichsner/The New York Times
Reforma. A nova casa ganhou ares modernos, mas preservou características da igreja
Quando Ronald Olthof e sua parceira, Sofie Suiker, decidiram comprar uma casa, seu primeiro instinto foi o de procurar um edifício antigo que pudessem reformar. Um espaço industrial abandonado, talvez. Nunca sonharam que iriam acabar em uma igreja.    Após um negócio frustrado em uma antiga instalação industrial, o casal foi ver uma igreja vazia, em Haarlo, pequena cidade próxima a Amsterdã. E tiveram um bom pressentimento, contou ele. Especialmente depois de conhecerem alguns dos vizinhos. “Descobrimos que um deles era de Amsterdã, cidade natal da Sofie”, disse ele. “E outro era da minha cidade natal, Borne”. Depois de algumas idas e vindas, o casal comprou a capela de 1928, que havia sido usado pela Igreja Reformada Holandesa, em março de 2011, por 130 mil euros (cerca de US$ 177 mil) e começou a transformá-la em uma casa.   O conceito que elaboraram era simples: despojar (em outras palavras, reduzir o edifício a seus elementos essenciais); isolar (enfatizar os elementos mais interessantes, cercando-os com muito espaço); e mobiliar (com moderação). “Não preencher todo o espaço de 1.100 metros cúbicos com o máximo de quartos possível, mas minimizar as demandas, a fim de manter o espaço do prédio, foi uma escolha consciente”, disse Olthof. “Queríamos mudar o mínimo possível”.   Ainda assim, havia muito trabalho a fazer. Várias lixeiras cheias de entulho tiveram que ser removidas, juntamente com três telhados, um piso de madeira, alguns painéis de parede e um anexo mal construído da década de 1960. A reforma foi finalmente concluída em junho de 2012, a um custo de cerca de 250 mil euros.  

Leia tudo sobre: decoraçãoreformaigreja