'Os mortos são os outros', diz capitão da Costa Rica

Primeiro do grupo a se classificar para as oitavas, seleção caribenha precisa de apenas um empate para ficar no topo da chave

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

CLéLIO TOMAZ/LEIAJÁIMAGENS/ESTADÃO CONTEÚDO
undefined

Assim que foram conhecidos os grupos da Copa do Mundo, em dezembro de 2013, a chave D foi chamada de "grupo da morte". A razão foi simples: nele estavam três campeões mundiais (Inglaterra, Itália e Uruguai) e um azarão (Costa Rica). Mas eis que o azarão foi justamente o único país que conseguiu carimbar uma vaga nas oitavas de final com uma rodada de antecipação.

"Talvez havia muita gente que não acreditasse em nós porque nós estávamos no 'grupo da morte', mas os mortos agora são os outros e nós estamos indo para a próxima fase", afirmou Bryan Ruiz, capitão da Costa Rica, depois da vitória sobre a Itália por 1 a 0, no Recife.

Na última rodada, na terça (24), a Costa Rica jogará por um empate para avançar em primeiro e poder enfrentar o segundo do Grupo C, que tem Colômbia, Grécia, Costa do Marfim e Japão.

Esta é a segunda vez que a seleção costa-riquenha avança para a segunda fase da Copa. Itália e Uruguai, que se enfrentam na terça-feira (24) em Natal, têm três pontos cada, mas os italianos têm saldo de gols superior e jogam pelo empate para passar às oitavas de final.

A Inglaterra, que não tem nenhum ponto, está eliminada do torneio na fase de grupos pela primeira vez desde 1958.

CABEÇA NO LUGAR

O técnico da Costa Rica, o colombiano Jorge Luis Pinto, afirmou nesta sexta-feira (20) que a tranquilidade e o controle da bola foram fundamentais para que seus comandados derrotassem a Itália por 1 a 0 e, de forma surpreendente, se classificassem por antecipação às oitavas de final da Copa do Mundo pelo grupo D, considerado o mais difícil do torneio.

"Não perdemos a cabeça, e por isso conseguimos tirar o futebol deles", declarou Pinto em entrevista após a partida disputada na Arena Pernambuco, de Recife.

Pinto destacou a magnitude da vitória sobre uma seleção campeã mundial e manifestou seu respeito pelo técnico Cesare Prandelli.

"Enfrentamos um campeão do mundo. Prandelli é um grande. Por isso é um reconhecimento para nossos jogadores", afirmou.