SindSaúde encerra paralisação após negociação com prefeitura

Reunião na última segunda (16), na sede da Famuc, que contou com a presença da diretoria do sindicato e representantes do executivo municipal terminou em acordo

iG Minas Gerais |

Pressão
. 

Servidores fizeram passeata na avenida João César para lutar por melhores condições
sindsaude contagem
Pressão . Servidores fizeram passeata na avenida João César para lutar por melhores condições

Piso salarial

Na terça-feira (17), a presidente Dilma sancionou o PLS 270/2006, criando a Lei nº 12.994/14, § 1º que garante o piso salarial dos Agentes Comunitários de Saúde e dos Agentes de Combate às Endemias em R$ 1.014,00.

Após reunião realizada entre os trabalhadores em saúde do setor público municipal, representados pelo SindSaúde Contagem, na última segunda-feira (16), na sede da Famuc, os servidores decidiram terminar a paralisação. Durante o encontro para negociação, foram estabelecidos alguns acordos entre os trabalhadores do setor de saúde de Contagem e a prefeitura, que ouviu as reivindicações e apresentou proposta aos trabalhadores.

O encontro teve a participação de membros da diretoria do SindSaúde, como Maria de Fátima de Oliveira, Rafaele Cristina Carvalho e Janny Carly Aparecida, e também da prefeitura de Contagem, que foi representada pelo secretário de saúde Luciano Novaes, o superintendente de gestão do trabalho João Bosco de Oliveira de Miranda e a coordenadora de Administração de Pessoal, Dafne Ulrich Araújo.

Com a proposta de negociação apresentada pela prefeitura de Contagem, praticamente todas as reivindicações dos servidores foram atendidas, o que fez o SindSaúde Contagem decidir por interromper o movimento de paralisação.

Conquistas

Dentre as medidas acordadas entre servidores e prefeitura de Contagem estão aumento salarial de acordo com o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), somando mais 1% em 2015; auxílio alimentação também para técnicos e auxiliares de enfermagem e auxiliares de saúde bucal de 40h/semanais do Programa Saúde da Família (PSF); fornecimento de protetor solar como equipamento de proteção individual (EPI); igualdade de pagamento nas campanhas de vacinação em relação aos municípios de Belo Horizonte e Betim; e revisão do Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos (PCCV).

Outras medidas foram aprovadas, mas ainda dependem de regulamentações ou estudos para entrarem em vigor, tais como o pagamento retroativo das diferenças salariais entre auxiliares, atendentes e assistentes administrativos, além de auxiliares e técnicos de enfermagem, com equiparação salarial; e igualdade de adicional de insalubridade de 40% para os servidores do bloco cirúrgico do Hospital Municipal de Contagem.

O sindicato também exigiu vagas em período integral nos Cemeis para todas as servidoras efetivas ou não, com filhos de até seis anos – medida aprovada, mas que depende da Secretaria de Educação.

As medidas ainda devem passar pela Câmara Municipal de Contagem para serem aprovadas e entrarem em vigor.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave