É constrangedor', diz Fifa sobre invasão; COL e governo minimizam

Chefes de segurança das entidades discordam sobre ocorrido antes do jogo entre Chile e Espanha

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

Enquanto as autoridades brasileiras classificaram a invasão de torcedores chilenos ao Maracanã como um incidente de menor gravidade, a Fifa classificou a situação como um episódio constrangedor. As diferentes opiniões foram emitidas durante uma entrevista coletiva convocada pela organização da Copa do Mundo nesta quinta-feira (19) para tentar esclarecer a maior falha de segurança registrada no torneio até o momento. "É algo constrangedor. Temos que proteger os jornalistas e a imprensa. Acredito que ninguém tem dúvida disso", afirmou o chefe de segurança da Fifa, Ralf Mutschke. Ao contrário do dirigente do órgão que gere o futebol mundial, o chefe de segurança do COL (Comitê Organizador Local), Hilário Medeiros, e o secretário extraordinário de segurança para grandes eventos do governo federal, Andrei Passos Rodrigues, preferiam elogiar o esquema de segurança do Mundial. "Até o momento, não houve nenhum incidente de maior gravidade. Tivemos 288 manifestantes ou infratores detidos, proibimos 77 estrangeiros de entrar e prendemos 21 cambistas", disse Rodrigues. "Não tivemos nenhum incidente que comprometesse o evento. A força de segurança privada reagiu bem. Não houve nenhuma violência dos stewards [contra os invasores chilenos]", adicionou Medeiros. Quando questionado sobre os seguidos problemas de segurança registrados no Mundial, como furtos de ingressos e equipamento de jornalistas, a entrada de fogos de artifício da Arena Pantanal e as duas invasões do Maracanã, por argentinos, no último domingo, e chilenos, o dirigente disse que está com "operação excelente em Manaus, Belo Horizonte e Porto Alegre." "É claro que problemas estão acontecendo, mas nossos planos de contingência estão sendo adotados."