Barradão recebe mudanças para a Copa, mas segue a espera por seleções

Estádio do Vitória é um dos Campo Oficial de Treinamento, mas já foi 'dispensada' por Holanda, Portugal e França

iG Minas Gerais | FERNANDO ALMEIDA E THIAGO PRATA |

Barradão passou por reformas para poder receber treino de seleções durante a Copa do Mundo
ALEX DE JESUS/O TEMPO
Barradão passou por reformas para poder receber treino de seleções durante a Copa do Mundo

Salvador (BA). Reforma completa no vestiário, grandes modificações no gramado e melhorias pontuais. O Estádio Manoel Barradas, mais conhecido como Barradão, passou por mudanças e se preparou para receber treinos das seleções durante a Copa do Mundo – qualificou-se como um Campo Oficial de Treinamento (COT).

Para isto, o Vitória gastou pouco mais de R$ 1 milhão, mas, por enquanto, ainda espera ter o seu renovado ‘tapete verde’ pisado pelas estrelas do futebol internacional depois de viver algumas ‘dispensas’ nesta fase inicial do torneio mundial.

Logo na primeira rodada, o Barradão acabou sendo ‘boicotado’ por Holanda, Portugal e França, e agora fica a espera do Irã, que agendou treino no local para a próxima segunda-feira (23) – Salvador ainda receberá jogos nas oitavas e quartas de final. A primeira das quatro seleções optou, na última hora, por treinar no Estádio de Pituaçu, frustrando alguns funcionários do clube baiano.

A reportagem visitou o Barradão e conversou com o gerente de patrimônio do Vitória, Haroldo Tavares, que, pessoalmente, gostaria de ver os holandeses em sua ‘casa’, mas não acredita que fica um sentimento de ‘abandono’ com a ausência das seleções no estádio.

“Logicamente que se viessem estamos preparados, de plantão, venham ou não, todo o pessoal está mobilizado, o estádio esta a disposição da Fifa. Opção de treinar ou não é de cada seleção”, disse Tavares.

“Gostaria até que viessem (Holanda), recebi deles na viagem – amistoso entre Brasil e Holanda, em 1999, na Fonte Nova – uma camisa de manga cumprida, autografada por todos, desde o chefe da delegação até o cozinheiro. Coisa linda. Identifiquei-me pela simplicidade deles”, contou o dirigente do Vitória, lembrando de sua época quando trabalhava na federação baiana de futebol.

Reformas. Haroldo Tavares também pontuou as alterações feitas no estádio do Leão, deixando claro que estas reformas já seriam realizadas pelo clube, algo que a Copa somente agilizou.

“Estávamos com pretensão de fazer algumas melhorias no estádio, notadamente na troca do gramado, automatização da irrigação, e também drenagem. Logicamente, o período da Copa agilizou essas providências. E também outras mudanças que eram pertinentes como a reforma geral dos vestiários”, explicou Tavares.

“Também fizemos melhoramentos na rede elétrica, algumas mudanças nos alambrados. Queremos educar os torcedores que o alambrado não é mais necessário. Queremos fazer a nível de Arena”, completou.

Por serem reformas voltadas para transformar o Barradão num COT ‘padrão Fifa’, a entidade máxima do futebol tirou de seus cofres cerca de R$ 300 mil voltadas somente para as mudanças nos gramados do estádio.

“Entre aquisição de equipamentos, vestiário todo climatizado, eu diria que gastamos entre 1,3 milhões e 1,5 milhões. A Fifa entra com uma parcela só para o gramado. Digamos que tenhamos gasto 600 mil, ela entrou com um terço”, revelou o dirigente.

O Vitória fica agora na expectativa para saber se irá receber as seleções que disputarão as oitavas e quartas de final em Salvador, ou se terminará a Copa do Mundo sem nenhuma visita internacional.