Capitão da França na greve de 2010, Evra diz que não mudou

Zagueiro foi apontado com um dos líderes da paralisação dos jogadores na última Copa

iG Minas Gerais | Folha Press |

O zagueiro Patrice Evra, capitão da seleção francesa na Copa de 2010 e apontado como um dos líderes da greve dos jogadores naquele ano, disse nesta quarta-feira (18) que nada mudou sua personalidade desde o Mundial da África do Sul.

Evra foi punido pela FFF (Federação Francesa de Futebol) e suspenso por cinco partidas após a greve. O zagueiro era o capitão da equipe que boicotou um treino na África do Sul em apoio ao atacante Nicolas Anelka, que foi cortado da equipe por ter insultado o técnico Raymond Domenech.

"Não houve mudança, faço a mesma coisa. Em 2010, eu fiz o meu papel", disse Evra no Theatro Pedro 2º, em Ribeirão Preto, onde a França está hospedada para a disputa daCopa.

O zagueiro, que perdeu o posto de capitão para o goleiro Hugo Lloris neste ano, disse que a braçadeira traz "um papel muito bonito e honrado", mas que não é prioridade. "Eu era capitão em 2010, acabou."

No entanto ele disse que continua aconselhando os jogadores, que são muito jovens, e ressaltou a importância de manter a equipe unida.

Segundo mais velho da equipe, com 33 anos, Evra é citado por alguns jogadores, como o meia Paul Pogba, como um "irmão mais velho". Ainda assim, o zagueiro disse que não quer o papel de líder.

"Todo mundo vive a mesma aventura, a Copa do Mundo é uma aventura. E às vezes dá medo, porque a França está indo muito bem e nós não queremos que essa aventura acabe agora", disse Evra.

SEGUNDO JOGO

A França viaja na manhã desta quinta-feira (19) para Salvador, onde irá enfrentar a Suíça na sexta-feira (20).

Com uma vitória de 3 a 0 sobre Honduras, os franceses esperam ganhar da Suíça e já garantir a classificação para a próxima fase do Mundial.

Leia tudo sobre: evracapitão2010seleção francesaFrança