Festa de 5 mil holandeses vira atração no centro de Porto Alegre

Duelo na capital do Rio Grande do Sul tem a presença da família real holandesa

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

PORTO ALEGRE, RS - O início da caminhada de holandeses do Mercado Público de Porto Alegre, no centro da cidade, até o estádio Beira-Rio, estava marcado para as 10h desta quarta-feira (18). Antes das 8h, porém, dezenas de torcedores já chegavam para a "Orange Square", tradicional festa realizada pela Federação Holandesa de Futebol. Fantasiados das mais diferentes formas, os turistas holandeses se tornaram uma atração turística para os gaúchos que iniciavam o dia de trabalho. A Holanda encara a Austrália, no Beira-Rio, às 13h desta quarta. Por volta das 7h45, quatro amigos vestidos de laranja da cabeça aos pés adentraram solenes o Largo Glênio Peres, área movimentada do centro da capital gaúcha. No Brasil para sua primeira Copa do Mundo, Siebren, Jaap, Stefan e Kevin acabavam de chegar de Salvador. "Porto Alegre é uma bela cidade, mas faz mais frio aqui", reclamou um deles, apesar da temperatura amena de 13 graus naquele momento. Em uma padaria do Mercado Público, compraram latas de cerveja, mas não conseguiram tomar imediatamente. Funcionários e pedestres os obrigaram a uma sessão de fotos que durou mais de dez minutos. Acostumadas a receber trabalhadores à procura de café da manhã, as padarias improvisaram caixas de isopor para vender cervejas aos turistas desde cedo. Um outro grupo de turistas, com seis Copas no currículo, preferia tomar cerveja no gargalo de garrafas de 600ml. "A cerveja aqui é boa, mas a nossa é melhor", avaliou um dos mais entusiasmados. Em cerca de 5.000 pessoas, segundo estimativa da organização do evento, os holandeses foram a atração do centro de Porto Alegre horas antes da partida da Laranja Mecânica contra a seleção australiana. A festa, chamada "Orange Square", é realizada pela federação holandesa há 14 anos. "Os torcedores viajam por longas distâncias e gastam muito dinheiro para apoiar a seleção, então a ideia é oferecer a eles uma boa experiência durante todo o dia do jogo", explicou Renske Bruinsma, escalada como porta-voz da entidade. Com músicas tradicionais, hits atuais e música brasileira, a Orange Square durou cerca de duas horas no Largo Glênio Peres. Vestidos com roupas típicas, uniformes de futebol americano, fantasia de Capitão América, Papa Francisco e os mais variados adereços, holandeses eram solicitados para fotografias pelos moradores de Porto Alegre. Jovens holandesas, uma delas com faixa de "miss dos torcedores", eram as mais requisitadas. Holandês radicado no Brasil há 21 anos, o mecânico de navios Roland Fruterman vestia um traje típico gaúcho nas cores da seleção de seu país. "Comprei uma bombacha e mandei tingir de laranja", disse Roland, acompanhado do filho Lupam, brasileiro e torcedor do Internacional. "Há quatro meses que me preparo para esta festa. Pra mim está sendo um sonho", afirmou o holandês. No interior do Mercado Público, as bancas e os restaurantes recebiam boa movimentação. Dos amigos japoneses que vivem na Holanda ouviam explicações sobre o chimarrão. "Como estamos bebendo bastante [cerveja], é bom para a digestão", brincou Yuya. "A gente fala alguma coisa, good morning, welcome, Holland tent", explicou Daniel Souza, atendente na tradicional Banca do Holandês, fundada em 1919 no Mercado Público. "O respeito e o carinho não tem idioma. Viamão recebeu uma seleção de menor expressão, mas recebeu com festa", justificou o vendedor, para quem a altura dos holandeses chamou a atenção. "São os mais altos da Europa". O prefeito de Porto Alegre, José Fortunati, subiu no caminhão de som e fez uma saudação aos holandeses e australianos, que em menor número também participaram da festa. Passistas de uma escola de samba dançavam ao som das músicas cantadas por dois animadores da torcida holandesa. Às 10h, milhares de holandeses, australianos e também torcedores brasileiros partiram em caminhada pela avenida Borges de Medeiros para percorrer os cerca de quatro quilômetros até o estádio Beira-Rio. No caminho, a banda de holandeses Factor 12, que acompanha a torcida antes dos jogos, improvisou uma série de apresentações. A família real holandesa desembarcou em Porto Alegre, mas não apareceu na festa. O rei Willem-Alexander e a rainha Máxima Zorreguieta acompanharão a partida no Beira-Rio ao lado do governador Tarso Genro.

Leia tudo sobre: Porto AlegreCopa do MundoHolandaSeleção holandesafutebol