Faltou mais talento

iG Minas Gerais |

O México foi melhor coletivamente, trocou mais passes, mas as melhores chances foram do Brasil. O goleiro mexicano foi um dos destaques da partida. Julio Cesar não precisou fazer uma grande defesa. Mais uma vez, o Brasil não teve meio-campo. É defesa e ataque. Luiz Gustavo protege os defensores (fez mais uma ótima partida), e Paulinho não aparece para receber a bola. No intervalo, deveria ter entrado um armador (Willian, Hernanes ou Fernandinho), e não um atacante (Bernard). O time depende demais de jogadas aéreas e, principalmente, de lances individuais, estocadas, quase sempre com Neymar. Paulinho, Oscar, Fred, Ramires e Bernard atuaram muito mal. Jô se movimentou mais que Fred. Daniel Alves foi discreto. Já Thiago Silva, David Luiz, Luiz Gustavo, Marcelo e Neymar, mesmo longe de seus melhores momentos, atuaram muito bem. Hulk fez falta. O time mexicano foi superior à seleção da Croácia. Marcou melhor do que eu esperava. O México chegou com facilidade na intermediária e finalizou muitas vezes de fora da área, com perigo. Já os dois atacantes foram anulados pela zaga brasileira. A atuação do Brasil foi regular, como contra a Croácia. Continuamos fortes candidatos ao título. Mas o time não pode depender tanto de Neymar, nem achar que basta ser guerreiro e cantar, com força, o hino brasileiro. Nos jogos mata-mata são necessários mais talento e fantasia. Foi mais um bom jogo, apesar do 0 a 0. Está, na média, excelente o nível técnico desta edição da Copa do Mundo. Não é surpresa. É o futebol que vemos nos principais campeonatos europeus, nos quais se concentram os melhores jogadores do mundo. É um jogo rápido, coletivo, com vários excepcionais jogadores, com muita troca de passes e também com muitos gols de jogadas aéreas. O torcedor que só acompanha os times brasileiros está adorando ainda mais, descobriu um novo futebol.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave