Dia de jogo para uns, oportunidade de compras para outros

Enquanto a maioria dos brasileiros estavam focados na televisão, outros aproveitaram para ir fazer compras no supermercado

iG Minas Gerais | Natália Oliveira |

Esportes - Belo Horizonte, Mg. TO NEM AI PARA O JOGO DA SELECAO BARSILEIRA. Renato Lopes de 35 anos esta achando otimo sair para fazer compras durante jogos da selecao por ter poucas pessoas em supermercados. Fotos: MOISES SILVA / O Tempo - 17.6.14
Esportes - Belo Horizonte, Mg. TO NEM AI PARA O JOGO DA SELECAO BARSILEIRA. Renato Lopes de 35 anos esta achando otimo sair para fazer compras durante jogos da selecao por ter poucas pessoas em supermercados. Fotos: MOISES SILVA / O Tempo - 17.6.14
Apesar de ficar bem longe da televisão, o gerente de loja Renato Lopes, 35, está adorando os jogos do brasil. Contraditório? Que nada. A explicação é que enquanto todos estão focados na partida, Lopes, aproveita a cidade vazia para fazer o que geralmente é conturbado no cotidiano. Ontem foi dia de  compras.   Nos corredores vazios do supermercado Walmart, em Contagem, na região metropolitana da capital, ele era uma das pessoas que não fazem questão de ver o jogo.  “Eu não ligo para futebol e achei oportuno vir fazer as compras, já que não tem ninguém e consequentemente não tem fila. No último jogo, eu fui visitar um amigo no hospital, não tinha trânsito”,  conta o gerente.    Mesmo vendo alguns funcionários e clientes focados nas televisões do estabelecimento,  ele permanecia sem  curiosidade.  Assim como o casal Paulo Motta, 31 e Hilce Gracia, 36, que chegou ao supermercado no meio do jogo. A ida as compras no horário da partida tinha sido planejada previamente.    "Eu não ligo para jogo do Brasil e não estou com vontade de torcer, por isso combinei  de pegar ela no trabalho e virmos para o supermercado. Sabiamos que o Walmart iria abrir e imaginamos que não teria ninguém na fila",  explicou Motta.    Da mesma forma, o casal Wilkerson Gleick, 38, e Márcia Lemos, 35, também aproveitaram a tranquilidade para escolher os produtos. Para eles, o dinheiro investido no mundial poderia ter ido para a saúde e educação.    Divididos Da turma que não dá importância para os jogos da Copa, o carreteiro José Emilson Nascimento, 47, quis ir fazer compras, mas para isso teve que "arrastar" a mulher, a costureira Ednalva de Jesus, 40 . Ela estava querendo ver o jogo, mas ele preferia comprar o que faltava . Enquanto ela estava atenta aos gritos nas possibilidades de gol, ele não dava a menor importância.  "Temos que aproveitar que está vazio para fazer as compras. Se der tempo, ela assiste um pedacinho do jogo no segundo tempo, mas eu realmente não faço questão nenhuma", conta o carreteiro.    Na rua Do lado de fora do supermercado, no semáforo, a malabarista Jéssica Godinho, 28,  também estava no clima dos despreocupados  e continuava se apresentando mesmo com a partida rolando.  “Eu não faço questão de jogo, prefiro estar na rua trabalhando e difundindo a arte”, diz Jéssica. Vestida de Verde e Amarelo ela disse que queria chamar a atenção dos torcedores para a arte e outras coisas que considera mais importante que o futebol. "Esse patriotismo é um pouco egoista e não me agrada", conclui.    Dando um jeitinho Dividindo espaço com os clientes que faziam as compras despreocupados com a seleção estava em campo, o supermercado também atraiu a atenção de quem estava se importando com a partida. Enrolado na bandeira do Brasil, o aposentado José Moreira Souza, 72, foi ao estabelecimento para assistir a partida. Várias televisões foram espalhadas pelo local, que serviu ainda cachorro quente e refrigerante para os clientes e funcionários que assistiam a partida.    "A minha televisão estragou, ai como moro aqui perto eu vim para cá torcer. Eu também já sou conhecido pelos funcionários do supermercado e assim eu assisto a partida acompanhado", enfatizou. O aposentado foi surpreendido ainda por companhias inusitadas. Perdidos, cinco venezuelanos foram parar no supermercado, onde sentaram e torceram para o Brasil. Eles iriam ao shopping, mas não sabiam que em dias de Copa, esses estabelecimentos fecham no Brasil.   

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave