Juízes vão apitar jogos de seleções de seus continentes

Fifa fará quebra da restrição à escalação de árbitros da mesma confederação de uma das equipes envolvidas na partida

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

A partida entre Croácia e Camarões, nesta quarta-feira (18), em Manaus, terá árbitro europeu. O confronto entre Inglaterra e Uruguai, na quinta (19), em São Paulo, também.

Na segunda rodada da Copa do Mundo, a comissão de arbitragem da Fifa resolveu pôr em prática o fim do bloqueio continental aos juízes.

A quebra da restrição à escalação de árbitros da mesma confederação de uma das seleções envolvidas na partida foi antecipada pela Folha de S.Paulo na edição de sábado (14).

O segundo jogo dos croatas, adversários de estreia do Brasil, será dirigido pelo português Pedro Proença. Já a próxima apresentação dos ingleses terá o espanhol Carlos Velasco Carballo no apito.

Na Copa passada, quatro anos atrás, essas escalações não seriam possíveis. No Mundial da África do Sul, só confrontos entre duas equipes do mesmo continente podiam ser dirigidas por um árbitro daquela confederação - a decisão entre Espanha e Holanda foi apitada pelo inglês Howard Webb.

A intenção era evitar que os árbitros fossem expostos a suspeitas de estarem favorecendo seleções da mesma confederação que eles.

A restrição levou a escalações contestáveis, como a de um guatemalteco na partida entre Paraguai e Espanha e a de um uzbeque na semifinal entre Uruguai x Holanda.

A mudança foi decidida no ciclo da Copa-2014. A Fifa ainda prefere escalar juízes de continentes diferentes dos adversários de uma partida, mas já não há bloqueio para que se faça assim.

"Levaremos em conta somente a questão da qualidade do árbitro. A questão do continente não é algo que vai nos travar", afirmou Busacca, no sábado, um dia depois de o técnico da Croácia, Niko Kovac, reclamar que o juiz japonês que apitou o jogo contra o Brasil não conseguia se comunicar com seus jogadores porque não fala inglês.

A quebra do bloqueio continental já havia sido percebida na final do Mundial de clubes de 2012, quando um juiz europeu (o turco Cüneyt Çakir) apitou a vitória do Corinthians sobre o Chelsea.

Leia tudo sobre: fifaárbitrosjuizbloqueio continentalseleçõescopa do mundo