União Europeia diz que revenda de gás russo à Ucrânia é legal

Cerca de 15% do gás consumido no continente europeu chega por meio da Ucrânia; a Gazprom, no entanto, defende que a revenda de gás é ilegal.

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

A União Europeia disse nesta terça-feira (17) que considera legal revender à Ucrânia o gás russo comprado pelo bloco, contornando assim o corte de abastecimento que a empresa estatal russa Gazprom impôs aos ucranianos na segunda-feira (16).

A inversão do fluxo de gás nos dutos que saem da Rússia e atravessam a Ucrânia para abastecer a Europa já aconteceu em 2009, quando ocorreu outra crise energética. Cerca de 15% do gás consumido no continente chega por meio da Ucrânia. A Gazprom, no entanto, defende que a revenda de gás é ilegal.

Nesta terça-feira (17), um dos gasodutos que abastecem a Europa, localizado na região ucraniana de Poltava, sofreu uma explosão. Não houve vítimas, segundo o Ministério do Interior da Ucrânia. O incidente não afetou o trânsito de gás para a Europa, que passou a ser feito por um duto alternativo. O ministro do Interior da Ucrânia, Arsen Avakov, diz que o caso está sendo tratado como possível "ato de terrorismo".

Disputa

Desde que o presidente pró-russo Viktor Yanukovitch foi derrubado e substituído por um governo pró-ocidente, Moscou tenta aumentar o preço do gás vendido à Ucrânia. Na segunda (16), o governo de Kiev não cumpriu o prazo para pagar uma dívida que tinha com a Gazprom de US$ 1,95 bilhão (R$ 4,35 bilhões) pelo gás já exportado. A Rússia diz que agora a Ucrânia só terá o combustível que pagar adiantado.

O preço subiu de US$ 268 (R$ 600) por mil metros cúbicos para US$ 485 (R$ 1.100) em abril. Moscou recentemente apresentou uma nova proposta de US$ 385 (R$ 870), mas a Ucrânia insiste em um preço menor.

Na segunda (16), a Naftogaz, estatal ucraniana, declarou que empresas europeias estariam dispostas a fornecer gás para a Ucrânia por US$ 320 (R$ 720) por mil metros cúbicos. A Ucrânia consome 50 bilhões de metros cúbicos de gás por ano. Desses, 20 bilhões são produzidos no país e 30 bilhões importados da Rússia.

Leia tudo sobre: GásUcrâniaRússiadisputailegalcontinenteeuropeuUnião Européiarevendaenergia