Torcida se apressa para sair do Mineirão para ver Brasil e México

Enquanto alguns torcedores tentavam encontrar uma forma de voltar para casa, outros preferiram ver o jogo da seleção em bares próximos ao estádio

iG Minas Gerais | DANIEL OTTONI |

Alberto Clemente esperava voltar de ônibus e chegar em casa antes do jogo do Brasil
DANIEL OTTONI - WEBREPORTER
Alberto Clemente esperava voltar de ônibus e chegar em casa antes do jogo do Brasil

Grande maioria no Mineirão para acompanhar a vitória da Bélgica sobre a Argélia, a torcida brasileira não perdeu tempo após o término do jogo. Afinal, em apenas uma hora começaria o jogo entre Brasil e México. Enquanto muitos preferiram ir embora por diferentes meios de transporte, outros não quiseram perder tempo e tentaram vagas em bares e restaurantes próximos ao estádio. Em uma churrascaria, a entrada era de R$ 20, enquanto um valor de R$ 10 a mais era cobrado em um bar às margens da Lagoa. Um outro bar criou uma área interna, onde os torcedores poderiam ver o jogo pagando R$ 80. O valor seria revertido em consumação. Muitos torcedores se aglomeraram na porta dos bares, ainda em dúvida sobre se valeria a pena pagar o valor e assistir o jogo desde o primeiro minuto. À caminho da Avenida Antônio Carlos, para pegar o BRT, o médico e torcedor do América Alberto Clemente, não tinha dúvidas de que a opção de ver Bélgica e Argélia ao vivo valeu a pena, mesmo perdendo parte do jogo do Brasil.  “Tenho 53 anos de vida e talvez não tenha mais essa chance. Ver jogo do Brasil na Copa, pela TV posso fazer isso de novo em quatro anos. Quando comprei o ingresso, sabia deste risco, mas ele compensou demais”, garante Clemente. Assim como ele, pensou o engenheiro mecânico Ricardo Oliveira ao lado do filho Rafael Lopes, de 14 anos. Eles receberam uma ligação na segunda-feira com a oferta de dois convites. Residentes em São Paulo, eles não pensaram duas vezes antes de fazer o famoso ‘bate-volta’ com uma viagem de aproximadamente 7h entre as duas capitais. “Abrimos mão de ver o jogo do Brasil para estar aqui. Ver um jogo de Copa não é todo dia que se pode. Foi uma experiência fantástica. Ouviremos a partida contra o México do carro, na estrada. O Brasil vai vencer não somente este jogo, mas todos os demais”, projeta o torcedor, que foi com a camisa do São Paulo ao estádio. O também engenheiro mecânico Welker Resende também preferiu abrir mão de parte do jogo do Brasil em prol do filho Bernardo, de seis anos. “Agora, temos que tentar achar um táxi e voltar para casa. Vale a pena vir e perder um pedaço do jogo contra o México por causa dele, para ele ter essa vivência de Copa do Mundo. Acredito que vai dar tempo de chegar antes do apito inicial”, projeta o morador do bairro Santo Agostinho.