Gilvan nega que chegada de Manoel seja indício da saída de Dedé

Mandatário ressaltou, no entanto, que se aparecer uma boa proposta, clube é obrigado a liberar o camisa 26

iG Minas Gerais | BRUNO TRINDADE |

Presidente do Cruzeiro ficou satisfeito com mudanças apresentadas pela Minas Arena no retorno do Cruzeiro ao Mineirão
Washington Alves/VIPCOMM
Presidente do Cruzeiro ficou satisfeito com mudanças apresentadas pela Minas Arena no retorno do Cruzeiro ao Mineirão

Quando o Cruzeiro anunciou a contratação do zagueiro Manoel, por 3 milhões de euros (cerca de R$ 10 milhões), muito se especulou sobre a provável saída de Dedé, que vinha acumulando seguidas falhas e que interessa a diversos clubes europeus.

Porém, o presidente do Cruzeiro, Gilvan de Pinho Tavares, na apresentação do novo defensor celeste, fez questão de esclarecer a situação e por um fim às especulações. Conforme o mandatário, a vinda de Manoel se trata de um desejo antigo. Ele afirmou que nenhuma proposta chegou ao Cruzeiro para tentar contratar o zagueiro Dedé.

“O que existe do Dedé é apenas boato e especulação da imprensa, não chegou nenhuma proposta para o Cruzeiro. Sabemos que nesse momento as vistas do mundo estão voltadas para a Copa do Mundo. A janela de transferência da Europa ainda não foi aberta e a gente não sabe se depois da Copa virão propostas por ele e por outros jogadores do Cruzeiro”, declarou.

Gilvan, porém, admitiu que, caso apareça uma boa proposta pelo defensor, a Raposa terá que liberá-lo. “Quando contratamos o Dedé, foram empresários que investiram um dinheiro muito alto para tirar o atleta de seu antigo clube e colocá-lo no Cruzeiro. A condição é que, se aparecer um negócio que eles entenderem e que o Cruzeiro entender como bom pelo atleta, nós temos o compromisso de aceitar a realização desse negócio. E a gente não pode fugir do que foi combinado. Se isso vier acontecer, temos que concordar em ceder o atleta”, revelou.

O mandatário, então, justificou a compra de Manoel como substituição do zagueiro Wallace, que está praticamente vendido para um grupo de investidores, e para uma provável saída de Dedé.

“Sabendo que estávamos com a possibilidade de negociar o zagueiro Wallace e com a possibilidade de vir uma proposta vantajosa para atleta, empresário e para o Cruzeiro pelo Dedé. Por isso, nós trouxemos o zagueiro Manoel, que é aqui no Brasil atualmente um atleta que tem condição de substituir à altura esses dois atletas do Cruzeiro. Nós continuaremos muito bem servidos com o atleta que trouxemos”, concluiu o presidente celeste.  

Leia tudo sobre: CruzeiroGilvanDedéacordoinvestidoresManoel