Ex-goleiro Jorge Campos lembra glórias mexicanas e crê em vitória

Ídolo do povo mexicano, ex-jogador acredita que seleção de Miguel Herrera manterá fama de 'pedra no sapato' do futebol brasileiro

iG Minas Gerais | JOSIAS PEREIRA |

Fortaleza (CE). Figurinha carimbada da seleção mexicana na década de 1990, o ex-goleiro Jorge Campos – aquele mesmo das camisas extravagantes, das saídas de bola um tanto que arrojadas e da pequena estatura – está em Fortaleza para comentar o duelo entre Brasil e México, que acontece nesta terça-feira, às 16h, no Castelão.

Campos foi um dos jogadores que estiveram em campo na grande decisão da Copa das Confederações de 1999. À época, os mexicanos venceram o Brasil, de Ronaldinho Gaúcho e Alex, por 4 a 3. Em entrevista ao O TEMPO, o ex-jogador ressuscitou as lembranças daquela partida histórica. A expectativa do agora comentarista é que a seleção mexicana surpreenda, mais uma vez, a seleção brasileira.

“Aquele jogo vem sempre na minha memória. O estádio estava lotado. Jogamos como nunca para deixarmos o povo feliz. Ganhar uma final diante do Brasil é muito bonito. Nós nunca ganhamos a Copa do Mundo, mas já ganhamos uma Copa de Ouro, uma Copa das Confederações e uma medalha de ouro nos Jogos Olímpicos sobre o Brasil. São as recordações que temos e precisamos nos apegar a isto para sair daqui hoje com uma vitória”, afirmou.

Historicamente, a seleção mexicana destaca-se por ser um time que proporciona inúmeras dificuldades ao Brasil. Para Jorge Campos, esta característica ficará ainda mais visível nesta terça-feira. Com toda a equipe 100% fisicamente, a tendência é que os mexicanos tenham uma entrega em campo maior do que o normal.

“Sabemos que nossa seleção sempre joga muito bem contra o Brasil. Quando dizem para nós ‘vocês vão enfrentar o Brasil’, já sabemos que não será uma partida qualquer. É diferente. Para o duelo de hoje, nossos meninos estão 100% em todos os aspectos. Não vai ser como antes, quando entrávamos 80%, 90%. Hoje, nossos meninos estão 100% em todos os aspectos. Creio que vai ser uma grande partida e irá abrilhantar ainda mais o Mundial”, destacou o arqueiro, que defendeu o México nas Copas de 1994 e 1998. 

A confiança de Jorge Campos em um grande resultado está baseada na força do ataque tricolor. Além do titular Oribe Peralta, Chicharito Hernández pode mudar a história do jogo a qualquer momento.

“Estes dois jogadores serão muito importantes, Peralta sempre anota contra o Brasil. É um jogador especial, diferenciado. Mesmo no banco de reservas, Chicharito tem um grande poder de finalização e pode mudar a história do jogo”, disse. “Espero que dê México. Vamos ganhar!”, sentenciou o ex-goleiro e ídolo do povo mexicano.

Ausência de Hulk 

A possível ausência do atacante Hulk na partida desta terça-feira também foi lembrada por Jorge Campos. Segundo o comentarista, a equipe de Felipão deverá perder ofensivamente. Cabe ao México saber aproveitar os espaços. "Será uma ausência muito importante. O ataque do Brasil perde muito sem ele, sem força que ele tem. Espero que o México consiga aproveitar esta ausência para achar um espaço por ali e vencer", concluiu.