Missionários religiosos aproveitam Copa no Brasil para falar de Deus

Voluntários de diversos credos aproveitam clima do Mundial para disseminar suas ideologias nos estádios

iG Minas Gerais | GUILHERME GUIMARÃES E FELIPE RIBEIRO |

Missionários Batistas trabalharão durante os 30 dias da Copa, em todos os estádios do Brasil, passando os ensinamentos de Jesus
GUILHERME GUIMARÃES/WEBREPÓRTER
Missionários Batistas trabalharão durante os 30 dias da Copa, em todos os estádios do Brasil, passando os ensinamentos de Jesus

O grito de gol que emociona, um lance do craque que arranca suspiros nas arquibancadas, torcedores comemorando uma vitória, chorando pela derrota ou agradecendo a Deus pela oportunidade de participar do maior evento voltado para o futebol do planeta: a Copa do Mundo.

Nesse clima envolvente, de euforia e felicidade pelo Mundial em solo brasileiro, missionários religiosos aproveitam para disseminar nos arredores dos estádios, palcos dos jogos da Copa, suas ideologias e dogmas. 

Espalhados por todo o Brasil, principalmente em Belo Horizonte, voluntários da fé doavam seu tempo para oferecer aos torcedores um pouco da palavra de Deus.

Só no entorno do Mineirão, palco do jogo entre Algéria e Bélgica, nesta terça-feira, pelo Grupo H da Copa do Mundo, dois grupos de diferentes religiões foram vistos pela reportagem do Super FC: os evangélicos e testemunhas de Jeová.

Com aproximadamente 300 pessoas dividindo o trabalho nos jogos realizados no Gigante da Pampulha, os evangélicos que se denominam "Missionários Batistas" disseminam o trabalho que chamam de "Trans Copa". Nome originário da mistura das palavras "transformação e Copa do Mundo".

"Trazemos para os torcedores um momento de reflexão, de fé. Uma mensagem de Deus, um recado de paz", disse um dos membros do grupo  "Jesus Transforma". 

Segundo os membros dessa congregação religiosa, mais de cinco mil igrejas em todo o Brasil estão fazendo o mesmo trabalho voluntário. Pessoas ficam nas proximidades dos estádios e distribuem folhetos com mensagens religiosas aos torcedores.

Testemunhas de Jeová

Com um pequeno totem cheio de folhetos e livros, o  casal Esfefa Raposo, 28 anos, e Tito Raposo, 32, improvisavam no inglês para conversar, principalmente, com os argelinos. Dentre os materiais de divulgação usados pela pedagoga e o educador físico, vários com o vocabulário árabe.

"A gente improvisa no inglês. Estamos aqui para passar uma mensagem de valorização da família, dos valores. Hoje, o mundo anda tão estranho, que aquilo que a gente considera primordial está  ficando para trás. Não podemos perder isso, temos que retomar os valores e a importância da família", disse Esfefa.