Ato antiCopa deve reunir 1.200 manifestantes na Savassi nesta terça

Ações como a "Copelada" e uma festa junina estão programadas para o protesto; policiamento na região está reforçado

iG Minas Gerais | Bruna Carmona |

Policiamento na praça da Savassi é ostensivo
Polícia Militar/Divulgação
Policiamento na praça da Savassi é ostensivo

Festa junina, “Copelada” e a apresentação de bandas e peças teatrais devem marcar o protesto antiCopa marcado para esta terça-feira (17). No dia em que Belo Horizonte recebe o jogo entre Bélgica e Argélia e o Brasil enfrenta o México, em Fortaleza, o ato 17J, organizado pelo Facebook, promete ser um protesto de “caráter artístico e lúdico”, segundo a nota publicada na página da Assembleia Popular Horizontal (APH).

Na nota, a APH deixa claro que não tem o objetivo de centralizar as ações marcadas para 17 de junho, mas faz um convite para que coletivos artísticos também participem do ato.

“Desejamos que os(as) cidadãos(ãs) deste país não desistam de manifestar e que o nosso recado de indignação com a Copa seja dado em prol dos processos sociais locais e internacionais. Que a Copa não se repita desta forma em outros países. Exigimos a mudança deste jogo sujo: sem a repetição deste “unfair players”!”, diz o comunicado, que reforça o uso da arte como maneira de resistência.

A concentração acontecerá ao 12h, na praça da Savassi, na região Centro-Sul de Belo Horizonte, em frente ao Mc Donalds. Até o momento, há mais de 1.200 confirmações no evento do Facebook. No local, o policiamento é ostensivo, mas até o momento, não há presença de manifestantes. De acordo com a Polícia Militar (PM), a situação é tranquila em toda a região central da cidade.

Na praça da Savassi, há alguns torcedores embarcam em ônibus com destino ao Mineirão para assistir à partida entre Bélgica e Argélia, que começa às 13h.  

Leia tudo sobre: protesto17jsavassibelo horizonte