Sem querer, querendo

iG Minas Gerais |

Daniel Alves e Marcelo devem ter mais chances de se apresentar bem, já que o México não tem jogado com um meia de cada lado para bloquear o avanço dos laterais. Se os alas marcarem mais à frente, vão sobrar espaços nas costas, pois os três zagueiros costumam se juntar pelo meio. Se os armadores pelo centro tentarem bloquear Daniel Alves e Marcelo, Neymar vai ficar mais livre. Já se Hulk não jogar, poderá fazer falta. Não o Hulk do último jogo, mas sim o de quase todas as partidas dos últimos anos. A principal razão de Hulk ter atuado mal contra a Croácia foi ter jogado pela esquerda. Ele gosta e atua bem da direita para o centro, para finalizar com seu potente chute de canhota. Por causa de um jogo, Hulk, que, enfim, tinha sido reconhecido, voltou a ser chamado de “grosso”. Enquanto isso, Oscar, de quem pediam a saída, passou a ser um grande craque. Nem uma coisa nem outra. Com Hulk e Oscar pelos lados, e Neymar pelo centro próximo de Fred e do gol, onde é mais decisivo, falta um armador, pelo meio, para ajudar os volantes na marcação e na organização. O abafa no início do jogo não funcionou bem contra a Croácia. Thiago Silva e David Luiz formam uma excelente zaga. Os dois têm muita técnica e se completam. Seus estilos refletem suas personalidades. Thiago Silva é introspectivo, conciso, minimalista. Antevê o lance, um craque. David Luiz é extrovertido, cheio de trejeitos, exagerado. Às vezes, no campo, passa do ponto. Contra a Croácia, o árbitro japonês, excessivamente honesto, quis reparar a culpa de não ter marcado um pênalti a favor do Brasil, contra a Holanda, em 2010. Hoje, o árbitro turco, pressionado para não favorecer o time brasileiro, o que diminuiria ainda mais a credibilidade da arbitragem, corre o risco de, na dúvida, sem querer, querendo, prejudicar o Brasil.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave