Felipão atenta sobre dificuldades e exalta evolução mexicana

Adversário na segunda rodada leva vantagem no retrospecto neste século e tirou o ouro olímpico do Brasil na final em Londres

iG Minas Gerais | Josias Pereira |

Felipão detém o recorde de permanência no cargo de treinador ao permanecer no comando da seleção portuguesa de 2003 a 2008
Rafael Ribeiro/CBF
Felipão detém o recorde de permanência no cargo de treinador ao permanecer no comando da seleção portuguesa de 2003 a 2008

Fortaleza (CE). Sem oba-oba. O torcedor que vier no Castelão nesta terça-feira, às 16h, deverá preparar-se para um confronto equilibrado. Historicamente, o México é um adversário que impõe dificuldades ao escrete canarinho. Neste século, os rivais já se enfrentaram em onze oportunidades. Foram seis vitórias dos norte-americanos, dois empates e três triunfos brasileiros. É por esta mesma razão que o treinador Luiz Felipe Scolari fez questão de exaltar as qualidades da equipe tricolor, principalmente após a mudança no comando técnico, agora capitaneado por Miguel Herrera. “Eu não o conheço pessoalmente (Miguel Herrera, treinador do México), mas tenho conhecimento da parte futebolística. Ele organizou a sua equipe, tem um sistema bem montado, e é uma pessoa que tem o poder de incentivo aos seus atletas muito grande. O que sabemos é que com ele, o México é uma equipe guerreira, forte, muito bem organizada, e joga um futebol que precisamos respeitar”, declarou Felipão. “Se alguém pensa que vai entrar em campo e encontrará facilidade, está enganado. Em um jogo de 90 minutos, pode acontecer um imprevisto”, completou. O duelo entre Brasil e México, realizado no ano passado, no mesmo Castelão, também foi lembrado pelo comandante. À época, a seleção brasileira venceu os tricolores por 2 a 0 em partida válida pela Copa das Confederações. De lá para cá, a evolução mexicana foi notória. “Todo o estudo que a gente tem ajuda, mas a seleção mexicana mudou bastante nos últimos 12 meses. Se não me engano, foram três mudanças de treinador. A forma deles de jogar também mudou. Quando o enfrentamos aqui em Fortaleza, pela Copa das Confederações, eles atuavam no 4-4-2. Hoje, eles jogam diferente”, afirmou Felipão. “Nós estamos mostrando (aos jogadores) que sempre quando jogamos com o México, sempre encontramos muita dificuldade. É um jogo que será muito equilibrado. A seleção mexicana possui um posicionamento muito correto do início ao fim do jogo. Naquele jogo que fizemos no ano passado, o segundo gol do Brasil foi feito aos 40 minutos do segundo tempo. As duas equipes jogam uma futebol de muita qualidade. Lógico que a gente vai entrar com o respeito necessário, mas uma vitória nos deixará em uma situação bastante confortável no torneio”, concluiu o treinador. 

Leia tudo sobre: BrasilMéxicoFelipãoCopa do Mundo 2014