Alemães fazem a festa e portugueses lamentam em BH

No Krug Bier, maioria alemã vibrou com a goleada; na Taberna Baltazar a esperança é de um Cristiano Ronaldo melhor nos próximos jogos

iG Minas Gerais | Ricardo Corrêa |

Esportes - Copa - Belo Horizonte - MG
Alemaes e alguns portugueses assistem jogo entre Alemanha e Portugal no bar Krug Bier em Belo Horizonte

FOTO: FERNANDA CARVALHO / O TEMPO 16.6.2014
FERNANDA CARVALHO / O TEMPO
Esportes - Copa - Belo Horizonte - MG Alemaes e alguns portugueses assistem jogo entre Alemanha e Portugal no bar Krug Bier em Belo Horizonte FOTO: FERNANDA CARVALHO / O TEMPO 16.6.2014
A festa foi toda alemã em Belo Horizonte na estreia contra Portugal na Copa do Mundo. Eles fizeram muito barulho no Krug Bier, que ficou lotado no início da tarde, com cerca de 70 pessoas, a grande maioria nascidos na Alemanha ou descendentes dos germânicos. Alguns poucos portugueses também apareceram para tentar festejar "na casa do rival", mas acabaram mesmo vendo a alegria da torcida adversária. Não se esperava muito da seleção portuguesa a não ser pela presença do melhor jogador do mundo entre eles. E era mesmo nos pés de Cristiano Ronaldo que repousava a esperança dos lusos. Suficiente para colocar medo nos alemães? "Cristiano Ronaldo é só um. E nós temos um time inteiro de grandes jogadores, então vamos vencer", dizia Sabine Koch Menezes, alemã casada com um brasileiro e que, por isso, mora há dois anos no Brasil. Mas o torcedor português avisava: "Ele não é só um jogador. Ele é o jogador. O melhor do mundo", respondia Guilherme Telhado, filho de português. Perguntado se temia a Alemanha, considerada uma das grandes favoritas, o pai Antonio Telhado abaixou a voz para dizer: "É perigoso sim,  mas temos um time compacto, não apenas o Cristiano, mas também o Coentrão, com seus lançamentos. E esperamos que a Alemanha também se atrapalhe como foi com a Espanha", completou o português que mora há 30 anos no Brasil. Mas em poucos minutos de jogo deu para ver que a superioridade alemã não estava só no Krug Bier. Também em campo. Enquanto isso, na Taberna do Baltazar, o clima era de desânimo durante quase todo o jogo. Os simpáticos portugueses, no entanto, esperam sorte melhor nas próximas partidas, quando os adversários (Estados Unidos e Gana) colocam menos medo que a Alemanha. "Basta o Cristiano Ronaldo fazer algo melhor. Se ele é o melhor do mundo mesmo, como dizem...", destacou Tereza Baltazar, portuguesa que está há 52 anos no Brasil e é proprietária do local. "Nossa expectativa é avançar para a próxim fase. Acho que vamos deslanchar no próximo jogo, quando o Cristiano Ronaldo estiver melhor. Hoje ele ainda está um pouco baleado, mas acreditamos", afirmou o presidente da Câmara Portuguesa de Comércio Brasil-Minas Gerais, Vittorio Lanari. No Krug Bier, quem estava feliz da vida era o cônsul da Alemanha em Minas Gerais,  Victor Sterzik, que acompanhava o jogo ao lado do filho. Ele tem dupla nacionalidade e tem grande de chances de sorrir até o fim da competição. "Espero uma final entre Brasil e Alemanha e, seja quem for o campeão, estarei feliz", afirma, em referência os dois times considerados os principais favoritos na competição. Para quem vai torcer? "Ficarei com o coração dividido até o fim", reconheceu o brasileiro alemão.

Leia tudo sobre: AlemanhaPortugalalemãesportugueseskrug biertaberna baltazar