Município abrirá mão do Mais Médicos após sumiço de médica cubana

Após encontrar um médico local para suprir a necessidade da estrangeira, município decidiu que não quer um novo profissional do programa do Governo Federal

iG Minas Gerais | JOSÉ VÍTOR CAMILO |

Médicos cubanos realizaram cursos em Belo Horizonte
Agência Brasil
Médicos cubanos realizaram cursos em Belo Horizonte

Após o desaparecimento da médica cubana Flora Olga Hernandez Fleitas, de 52 anos, que trabalhava pelo programa Mais Médicos no posto de saúde da cidade de Catuti, no Norte de Minas, o município de cerca de 5.200 habitantes decidiu que não quer receber um novo médico do programa. Um ofício foi encaminhado pela Secretaria de Saúde da cidade ao Ministério da Saúde. 

Segundo o órgão federal, o processo da médica ainda está na fase de notificação. A assessoria do Ministério da Saúde explicou que a funcionária foi notificada e agora eles aguardam um prazo para que ela tenha a chance de manifestar. Caso não haja qualquer retorno da cubana, ela será desligada do quadro. Até que se tenha uma conclusão no processo, um novo médico do Mais Médicos não pode ser enviado ao município.

Apesar disso, Catuti não está passando por problemas pela ausência de Flora. "Felizmente temos um terceiro médico local que está cobrindo a ausência dela. Ainda não fechamos contrato com ele, pois sabemos que ela poderia retornar", explicou a secretária adjunta de saúde do município, Sirlange Laurência de Oliveira. Caso a doutora voltasse, o município diz estar aberto para ouvir a sua justificativa e até aceitá-la de volta. "Já estávamos acostumados com ela. Foi uma experiência positiva", garantiu.

Com a presença do médico local, a Secretaria de Saúde resolveu abrir mão de um novo médico do programa federal. "No início tivemos dificuldade para adequar, temos que pagar a moradia e alimentação dela, que é bem diferenciada da nossa. Como temos a possibilidade deste médico, resolvemos enviar um ofício abrindo mão de um novo profissional do programa", afirma Sirlange.

Entenda

A médica, que trabalhava no município desde outubro de 2013, está desaparecida desde o último dia 6 de junho. No dia anterior, a cubana teria dito à uma enfermeira que talvez não trabalhasse na segunda-feira (9), uma vez que participaria de uma reunião do Mais Médicos em Montes Claros. Apesar disso, a Secretaria Municipal de Saúde não tinha qualquer informação sobre esse encontro.

Flora teria pegado um táxi na sexta-feira até Montes Claros, onde se hospedou em um hotel. Ela saiu de lá  ao meio-dia de sábado (7) e não foi mais vista, segundo funcionários do local. “É um mistério. Ela não teria nenhum motivo aparente para fugir. Só reclamava que se sentia muito sozinha, mas isso é natural para quem vem de outro país”, disse a secretária adjunta.

Segundo o secretário municipal de Saúde, Orlando Costa Machado, a estrangeira é uma boa médica e sempre foi muito comprometida. "Mas de uns dias para cá, depois do Dia das Mães, começou a se sentir só, e foi se isolando”. Segundo ele, a médica deixou dois filhos em Cuba, um deles inclusive com problemas de saúde.