Alegre pela estreia, Romero não liga para apelido 'mão de manteiga'

Goleiro argentino não se abala com críticas, que apareceram antes mesmo da Copa começar

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

Goleiro argentino nega favoritismo e revela adotar
RICARDO MAZALAN/AP PHOTO - 20.6.2010
Goleiro argentino nega favoritismo e revela adotar "estratégia alemã" nos treinos para uma possível disputa de pênaltis

Sergio Romero foi um dos primeiros a entrar na zona mista de imprensa, após o jogo contra a Bósnia, neste domingo (15). Inesperadamente, foi um dos últimos a sair do local que os jogadores desejam se livrar o mais rápido possível. Ele falou com todos. Respondeu todas as questões. Bem diferente do goleiro monossilábico da entrevista coletiva um dia antes da partida. Estava visivelmente satisfeito. Não apenas pela vitória na estreia da Copa. Também pelo seu desempenho. Um dos nomes mais questionados da equipe de Alejandro Sabella, Romero teve boa atuação. Quando o placar era 1 a 0, defendeu cabeçada perigosa de Lulic que preservou a vantagem argentina. "Foi difícil porque tive pouco tempo de reação. Eu vi a bola apenas depois que já havia saído da cabeça do jogador da Bósnia. Estava com a visão bloqueada no momento da cabeçada. E foi uma bola que veio com velocidade", relata. Nos últimos Mundiais, os goleiros da seleção têm vivido sempre sob a mira microscópica de imprensa e torcedores. A falta de um titular indiscutível atrapalha. A ausência de Willy Cabellero, por exemplo, do Málaga (ESP), foi criticada por parte dos jornalistas. Quando o serviço de som do Maracanã anunciou a escalação da Argentina, Romero foi quem recebeu os aplausos mais discretos. Ele passou por momentos complicados na última temporada europeia. Pouco jogou pelo Monaco, da França. Era escalado apenas em jogos das copas nacionais, não no Campeonato Francês. Apenas na reta final conseguiu ter uma sequência. As piadas mais fortes contra ele surgiram na internet. O goleiro já teve seu perfil no Wikipedia (site de enciclopédia online) invadido por detratores. Incluíram em seu perfil que tinha os apelidos de "mãos de manteiga" e "sem mãos". Foi escrita a passagem: "é desconhecido o lugar onde se pode encontrar suas mãos, já que joga sem elas." "A vitória não foi importante para mim especificamente. Foi para o time. A estreia sempre é complicada. Houve momentos de nervosismo. Mas é claro que fico satisfeito com o meu desempenho. Não me preocupo com as críticas. Se ligasse para isso, não entrava em campo", afirma.