Órgão gasta mais do que recupera de dinheiro desviado

Em dez anos R$ 34,2 mi foram repatriados e R$ 41 mi gastos

iG Minas Gerais |

Setor não pode ser medido só por volume de recursos, diz secretário
JOSE CRUZ
Setor não pode ser medido só por volume de recursos, diz secretário

Brasília. O órgão federal criado para coordenar esforços de recuperação de dinheiro desviado ao exterior comemorou em maio dez anos de existência com números modestos.

Ao longo desse período, o Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional (DRCI) conseguiu repatriar R$ 34,2 milhões, um valor inferior aos R$ 41 milhões que gastou até agora só com a implantação de sua rede de laboratórios de tecnologia.

Como o departamento é subordinado à Secretaria Nacional de Justiça, do Ministério da Justiça, não é possível saber o custo do órgão ao erário. O ministério não revela quantos servidores atuam no setor nem seu orçamento.

Segundo o secretário nacional de Justiça, Paulo Abrão, a dificuldade para repatriar recursos ilícitos resulta da morosidade da Justiça.

De acordo com ele, o sistema de recursos judiciais no país impede que processos cheguem ao fim, e a conclusão das ações é a exigência mais comum dos outros países antes de autorizar o envio de dinheiro de volta ao Brasil.

Obras de arte. Apesar da pequena repatriação efetiva, Paulo Abrão explica que o departamento não pode ser medido somente pelo volume de recursos que consegue trazer de volta ao Brasil. Ele cita, por exemplo, a atuação do DRCI na repatriação de bens culturais e históricos, como obras de arte.

No início de maio, o secretário nacional de Justiça esteve em Nova York para receber o quadro “Composition abstraite”, de Serge Poliakoff, pintor russo modernista radicado na França.

A obra, de valor estimado de US$ 400 mil, foi recuperada da coleção de Edemar Cid Ferreira, administrador do Banco Santos.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave