Prefeito de São Paulo cobra repúdio do PSDB a xingamento contra Dilma

Fernando Haddad disse, ainda, que a oposição tem ódio do PT e manifesta esse sentimento sem pudores

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Haddad afirmou, ainda, que ninguém do PSDB pode questionar a integridade da presidente Dilma
Agência Brasil/Divulgação
Haddad afirmou, ainda, que ninguém do PSDB pode questionar a integridade da presidente Dilma

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, criticou neste domingo (15), o PSDB por nenhuma liderança do partido ter repudiado os xingamentos que a presidente Dilma Rousseff recebeu de parte dos torcedores no jogo de abertura da Copa do Mundo. "O mínimo que a política com 'P' maiúsculo deveria ter é um gesto de solidariedade e repúdio ao que aconteceu", afirmou, durante discurso no lançamento oficial do ex-ministro Alexandre Padilha à disputa pelo governo paulista.

"Um repúdio é o mínimo que se esperava de pessoas civilizadas", continuou Haddad. Ele lembrou que no jogo estavam presentes chefes de Estado de vários países.

O prefeito da capital paulista disse que a oposição tem ódio do PT e manifesta esse sentimento sem pudores. Segundo ele, os adversários não se acostumaram com a inclusão social que os 12 anos de governo petista na Presidência teriam proporcionado.

Haddad afirmou, ainda, que ninguém do PSDB pode questionar a integridade da presidente Dilma. "Pode ser que nas fileiras do PSDB haja pessoas tão dignas quanto a presidente Dilma, mas tenho certeza absoluta que não há ninguém mais digno que ela naquele partido", disse.

Apoio

O senador Eduardo Suplicy iniciou o seu discurso com palavras de apoio à presidente Dilma no ato do PT que lança a candidatura de Alexandre Padilha ao governo do Estado de São Paulo nas eleições deste ano. Ele disse que a presidente soube responder à altura as manifestações hostis recebidas na última quinta-feira, no jogo de abertura da Copa do Mundo. "Ela soube responder muito bem à ofensiva e indelicada manifestação", afirmou.

Depois de receber xingamentos de parte dos torcedores presentes no jogo da seleção brasileira contra a Croácia, a presidente Dilma respondeu que não se sentia intimidada, ainda mais para uma pessoa que enfrentou a tortura durante o regime ditatorial brasileiro.

Suplicy, que é apresentado oficialmente como candidato do PT ao Senado Federal, afirmou que confia em Dilma Rousseff para dar uma nova vitória ao PT nas eleições presidenciais deste ano. "Tenho toda a confiança na Dilma para levar o PT novamente à vitória", disse.

Leia tudo sobre: campanha; eleições