Exército iraquiano afirma ter matado 279 terroristas em 24 horas

Em entrevista coletiva em Bagdá, o porta-voz das Forças Armadas, Qasem Ataa, advertiu que suas tropas continuarão realizando ataques com respaldo aéreo contra os insurgentes sunitas liderados pelo Estado Islâmico do Iraque e Levante (EIIL)

iG Minas Gerais | Da redação |

O exército iraquiano anunciou neste domingo (15) que matou 279 terroristas nas últimas 24 horas em ataques nas províncias de Saladino e Ninawa, ao norte de Bagdá, e Diyala, ao leste.

Em entrevista coletiva em Bagdá, o porta-voz das Forças Armadas, Qasem Ataa, advertiu que suas tropas continuarão realizando ataques com respaldo aéreo contra os insurgentes sunitas liderados pelo Estado Islâmico do Iraque e Levante (EIIL).

Nessas províncias, as Forças Armadas incendiaram 14 veículos carregados com armas e com rebeldes.

A aviação destruiu também o suposto esconderijo onde estava a chefia do EIIL, na base Al Qayada, segundo o porta-voz.

Ataa destacou o sucedido na cidade de Tal Afar, na província de Ninawa, onde as forças de segurança com a ajuda dos moradores repeliram um ataque dos insurgentes e mataram a dezenas deles.

Outros 30 supostos membros do EIIL foram mortos no norte da província de Babel, a cerca de 100 quilômetros ao sul de Bagdá, disse Ataa.

"O Exército recuperou a iniciativa. As Forças Armadas avançam gradualmente nas zonas controladas pelos terroristas", ressaltou.

O porta-voz apontou que as autoridades retomaram o controle da população de Azim, em Diyala, que havia caído nas mãos dos insurgentes.

Ataa assegurou que a situação em Bagdá está "totalmente controlada" e que os militares estão levando a cabo operações preventivas.

As forças armadas iraquianas costumam anunciar balanços elevados de mortes de inimigos e reduzidos de perdas em seus efetivos. As informações não puderam ser verificadas de forma independente.

Os jihadistas do EIIL lançaram uma varredura de repressão no país desde a última semana, com o apoio de membros das forças do regime de Saddam Hussein, derrocado pela invasão dos EUA em 2003 e morto em 2006.

Em questão de três dias, de terça a quinta-feira passada, os insurgentes tomaram a segunda maior cidade do Iraque, Mossul, sua província, Tikrit e outras regiões de Saladino.

VOLUNTÁRIOS O governo iraquiano fez neste domingo (15) a chamada para a Mobilização Popular, a fim de organizar os milhares de voluntários que se apresentaram para ajudar as Forças de Segurança iraquianas em sua luta contra a insurgência sunita.

"A prioridade será para os homens que contarem com instrução militar e possuam armas. A mobilização acontecerá conforme a lei e a Constituição", disse o conselheiro da Segurança Nacional do Iraque, Faleh al Fayyad. A televisão oficial "Al Iraqiya" mostrou cenas de centenas de homens, alguns deles armados, inscrevendo-se como voluntários no meio de bailes e hinos patrióticos.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave