Austrália quer fazer os adversários temê-la em futuro próximo

Equipe quer causar boa impressão no Copa do Mundo do Brasil mesmo em grupo com potências internacionais

iG Minas Gerais | DANIEL OTTONI |

Divulgação
undefined

Após fazer um bom jogo na derrota para o Chile, na estreia da Copa do Mundo, a seleção australiana é consciente da forte concorrência que tem em um grupo com mais duas potências internacionais (Espanha e Holanda).

Mesmo com um foco maior no futuro, a equipe quer deixar sua marca nas milhões de pessoas que acompanham o torneio. "Sabemos que as expectativas não são grandes, mas quero que o nosso time vá além deste pensamento. Quero que os adversários falem sobre o nosso time daqui a quatro anos, valorizando o que fizemos. Causar um impacto e não só fazer número será um grande feito", analisa o técnico Ange Postegoglo, nascido na Grécia, mas criado no país da Oceania.

Mesmo com a seleção em outro patamar, Postegoglo acredita que é possível que seu time evolua em território brasileiro. Não fugir do estilo local mostra uma proposta que pode dar frutos. "Vamos mostrar o que é o futebol australiano. Não temos o que temer. Mesmo com um grupo jovem e em uma chave difícil, quero que os nossos adversários não queiram nos encontrar novamente", indica o comandante.

De passagem em um país que respira futebol, o técnico australiano espera que os jogadores possam ver de perto uma realidade que pode contagiá-los dentro de campo. "Absorver essa cultura do futebol que existe no Brasil será importante. Ter sido a primeira seleção a desembarcar no país nos deu mais tempo para conhecer melhor todo o ambiente em torno da modalidade", agradece.